Galp e Mota-Engil animam PSI 20. Cofina cai quase 3%

A meio da manhã desta quinta-feira o principal índice bolsista português regista uma subida de 0,77% para 4.857,85 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias.

Stringer/Reuters

O principal índice bolsista português, PSI 20, encontra-se a valorizar 0,77% para 4.857,85 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias que estão a negociar em terreno positivo.

Das principais cotadas portuguesas, destaque para a Mota-Engil que sobe 2,11% para 1,94 euros. Já a petrolífera Galp cresce 1,67%, para 12,81 euros e a Francisco Ramada cresce 1,96%, para 6,24 euros. Em terreno positivo está também a Navigator, que sobe 1,43% para 2,98 euros, e a Sonae SGPS, que valoriza 1,22% para 0,83 euros.

As únicas cotadas nacionais a negociarem no ‘vermelho’ a meio da sessão são a Pharol, (2,07%), para 0,11 euros e a NOS que cai 0,09%, para 5,41 euros. Depois de três dias em subida constante a Cofina está agora a descer 2,94% para 0,49 euros.

Na Europa todas as cotadas estão a negociar no ‘verde’. Na Alemanha, o DAX cresce 1,11%, no Reino Unido, o FTSE 100 sobe 1,00%, o francês CAC 40 valoriza 1,47%, o holandês AEX cresce 0,97%. Em Espanha, o IBEX35 valoriza 1,04% e o italiano FTSE MIB sobe 1,72%.

A cotação do barril de Brent valoriza 0,43%, com valor de 60,29 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce 0,11%, para 56,19 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,01%, para 1,10 dólares.

Ler mais

Recomendadas

BCP e CTT levam PSI 20 ao ‘vermelho’ no fecho da sessão

Praça lisboeta fechou a sessão desta terça-feira com uma descida de 0,08% para 5.303,81 pontos, seguindo a tendência da maioria das suas congéneres europeias.

Alterações climáticas poderão provocar crise financeira mais grave do que a de 2008

O Banco de Compensações Internacionais (BIS) alertou para a necessidade de os bancos centrais “mais proactivos” em preconizar esforços maiores para mitigar as consequências do aquecimento global e das alterações climáticas. “As catástrofes climáticas são mais sérias do que a maioria das crises financeiras sistémicas: podem ameaçar a  humanidade”, frisou a instituição no livro “Cisne Verde: Bancos Centrais e Estabilidade Financeira na Era das Alterações Climáticas”, do Banco de Compensações Internacionais”, que foi hoje publicado.

“Show me the money”

Chegou a hora de analistas ou investidores “exigirem” resultados que justifiquem as avaliações bem ricas com que os títulos negoceiam.
Comentários