PremiumGalp Gás com três propostas vinculativas

O Bank of America recebeu três ofertas vincultivas para a compra dos 77,5% que a Galp detém na Galp Gás Natural Distribuição. A Allianz é uma delas.

Na passada segunda-feira, dia 12 de outubro, o Bank of America Merrill Lynch recebeu três propostas vinculativas para os 77,5% que a Galp Energia detém na Galp Gás Natural Distribuição (GGND). Segundo apurou o Jornal Económico, foram três fundos a entregar as propostas, um ibérico e dois fundos internacionais. O banco de investimento contratado pela Galp Energia deverá agora escolher uma das três propostas firmes para avançar com negociações exclusivas.

Não foi possível identificar todos os que avançaram com as propostas vinculativas para a Galp Gás. Mas o Jornal Económico sabe que uma das propostas é da Allianz Capital Partners – a gestora de fundos de private equity do grupo segurador alemão presente em Portugal a operar no setor da energia –, que comprou há dois anos a megacentral solar portuguesa Ourika.

Estava ainda na corrida a First State Investments (com sede na Austrália) e a Macquarie Infrastructure and Real Assets, também da Austrália.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

CIP pede “confinamentos mais racionais e inteligentes”

A Confederação Empresarial de Portugal quer mais testes à Covid-19 e o reforço da oferta de transportes públicos “para evitar a aglomeração das pessoas”. Esmagadora maioria das empresas portuguesas disse à confederação patronal que os apoios do Estado estão aquém das necessidades.

Presidência portuguesa da UE discute emprego e formação no turismo

Trata-se de um fórum internacional que será realizado, na próxima quinta-feira, dia 21 de janeiro, em formato virtual, sob a coordenação do Ministério da Economia e da Transição Digital.

“Jogo Económico”. “Não existem receitas de matchday mas em termos comerciais, os clubes continuam a trabalhar bem”

Na última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV, foi analisado o relatório da KPMG “The European Champions Report 2021”, que mostra a penalização das contas dos clubes pela ausência das receitas de ‘matchday’. No entanto, o economista e ex-futebolista Diogo Luís considera que os clubes continuam a trabalhar bem.
Comentários