PremiumGalp Gás com três propostas vinculativas

O Bank of America recebeu três ofertas vincultivas para a compra dos 77,5% que a Galp detém na Galp Gás Natural Distribuição. A Allianz é uma delas.

Na passada segunda-feira, dia 12 de outubro, o Bank of America Merrill Lynch recebeu três propostas vinculativas para os 77,5% que a Galp Energia detém na Galp Gás Natural Distribuição (GGND). Segundo apurou o Jornal Económico, foram três fundos a entregar as propostas, um ibérico e dois fundos internacionais. O banco de investimento contratado pela Galp Energia deverá agora escolher uma das três propostas firmes para avançar com negociações exclusivas.

Não foi possível identificar todos os que avançaram com as propostas vinculativas para a Galp Gás. Mas o Jornal Económico sabe que uma das propostas é da Allianz Capital Partners – a gestora de fundos de private equity do grupo segurador alemão presente em Portugal a operar no setor da energia –, que comprou há dois anos a megacentral solar portuguesa Ourika.

Estava ainda na corrida a First State Investments (com sede na Austrália) e a Macquarie Infrastructure and Real Assets, também da Austrália.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários