“Garra Vimaranense” guia estratégia de captação de turismo

A estratégia apresentada pela Câmara Municipal de Guimarães concretiza-se através de três programas principais, 12 projetos e 48 subprojetos que envolverão toda a população vimaranense.

Reforçar o papel da atividade turística, “derrubando os obstáculos identificados, potenciando e partilhando este novo posicionamento, dentro e fora do território nacional”, é o grande objetivo da estratégia para a promoção e captação do turismo, apresentada esta terça-feira, dia 17, pela Câmara Municipal de Guimarães.

Para além de ter sido definido o posicionamento da marca na captação de turismo, fruto de um estudo promovido pela autarquia, foram também identificados os principais obstáculos, evidenciando-se aspetos como a curta estadia no território vimaranense, a concentração no centro da cidade, alguma perda de notoriedade junto dos mais jovens, bem como algum desconhecimento fora de Portugal.

“São estes obstáculos que nos propomos derrubar com esta estratégia, atraindo mais pessoas para o território municipal de Guimarães e contagiando-as com esta ‘Garra Vimaranense’, com o orgulho que temos na nossa história, com a forma única como recebemos quem nos visita. Mas também com o espírito de união que nos leva a defender o que é nosso, que é o território que desde pequenos nos ensinaram a amar e do qual nos orgulhamos”, reforçou Domingos Bragança, presidente da Câmara Municipal de Guimarães.

Ainda sobre esta estratégia, importa reter que a “Ideia Central de Guimarães” é a visão e linha orientadora que será desenvolvida através de três programas principais: o “Programa Identitário”, responsável por desenvolver, ampliar e disseminar a “Garra Vimaranense”. Este programa alberga todos os projetos que asseguram o futuro desta “Ideia Central”, nomeadamente os que se relacionam com as bases, a representação e a projeção desta identidade, e envolve os mais jovens, mas também todos os agentes que contactam com o turismo.

Outro dos programas centra-se na “Valorização Territorial”, o qual assenta no princípio de continuar a aperfeiçoar Guimarães, sem dissociar a identidade do território. Estão em curso projetos no âmbito do “Território Unificado”, “Guimarães Verde” e “Garra no Território”. Esta linha mostra o seu máximo expoente na defesa, preservação e vivência do território. A estratégia assenta ainda no programa “Conhecer Guimarães” que se traduz em dar a conhecer um leque de experiências que vão espelhar não só a monumentalidade do território, mas também dos vimaranenses.

Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários