Gás natural: indústria nos EUA pode entrar em colapso

Pela primeira vez desde 2016, o preço do gás natural cai abaixo do nível de dois dólares por um milhão de unidades térmicas britânicas (BTU). O excesso de matéria prima está a causar uma diminuição dos preços de tal modo, que as empresas estão a ter prejuízos de cada vez que abrem um novo poço.

O sucesso do gás natural nos Estados Unidos poderá levar ao colapso da indústria já que o excesso de matéria prima está a levar a uma queda nos preços, de tal modo que as empresas já estão a ter prejuízos, por cada vez que decidem abrir um novo poço, conta o jornal espanhol “El Economista” esta segunda-feira, 20 de janeiro.

A região dos Apalaches nos EUA tornou-se o El Dorado do gás natural extraído através de técnicas de fraturação, colocando o país como o principal produtor mundial desta matéria. As empresas de extração colocaram tanto gás natural no mercado que os preços entraram em colapso a tal ponto que a continuação das suas atividades os está a levar a perdas.

Pela primeira vez desde 2016, o preço do gás natural caiu abaixo do nível de dois dólares por um milhão de unidades térmicas britânicas (BTU), valores pelos quais não é lucrativo para as empresas abrirem novos poços. Esta situação já está a causar demissões e cortes nas despesas milionárias, mas os esforços estão a ser insuficientes para conter o aumento da oferta.

“O setor está a ser vítima do seu próprio sucesso”, explica Devin McDermott, analista do Morgan Stanley da Bloomberg. “Não existe apenas excesso de oferta nos EUA, mas também na Europa, na Ásia e no mundo”, refere.

Apesar de ser promovido como um combustível ‘mais verde’ e que permite às empresas de serviços públicos reduzirem as suas emissões no caminho para um futuro sem carbono, o gás natural está a ser atacado em algumas regiões dos Estados Unidos por legisladores que desejam proibir todos os combustíveis fósseis.

Recomendadas

PremiumOrçamento de longo prazo da União Europeia continua num impasse

Líderes europeus discutem em Bruxelas a dotação de verbas do próximo quadro plurianual, mas ‘Amigos da Coesão’ e ‘contribuintes líquidos’ só concordam em discordar da proposta apresentada por Charles Michel.

Covid-19: Economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre, diz diretora do FMI

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.
Comentários