Gasóleo desce nove semanas depois. Gasolina sobe pela sexta semana

Gasolina sobe 1,5 cêntimos por litro nas estações das petrolíferas. Já nas marcas brancas, as subidas atingem os dois cêntimos por litro.

Nove semanas depois, sempre com subidas consecutivas, o gasóleo volta a descer. O combustível mais consumido pelos portugueses vai registar uma descida de 0,5 cêntimos de euro por litro, avançou ao Jornal Económico uma fonte do setor.

A gasolina, por sua vez, vai subir pela sexta semana consecutiva, com aumentos de 1,5 cêntimos de euro por litro na bombas de combustíveis das petrolíferas na próxima semana. Já nas bombas de marcas brancas, as subidas vão atingir os dois cêntimos de euro na próxima semana.

Conforme revelou o Jornal Económico esta semana, a diferença entre o gasóleo e a gasolina está em mínimos históricos. Abastecer um depósito a gasolina é mais caro do que atestar com gasóleo. Mas o estreitamento de preços tem vindo a acentuar-se. E, nos últimos quatro anos, a diferença de preço entre a gasolina e o gasóleo reduziu-se em 82%.

Na semana passada, a diferença entre um litro de diesel e um litro de gasolina encolheu para os 5,8 cêntimos,  segundo dados da Direção Geral de Energia e geologia (DGEG), o que representa um mínimo histórico. Ou seja, nunca a diferença entre os dois combustíveis foi tão curta.

Se recuarmos a 2015, por exemplo, a discrepância entre os dois combustíveis era de 32,5 cêntimos. O que quer dizer que, nessa altura, atestar um depósito com 50 litros de gasóleo ficava 16 euros mais barato que abastecer com gasolina.

Atualmente, e segundo os dados da DGEG, o preço médio do litro da gasolina 95 custa, em média, 1,475 euros, enquanto o litro do gasóleo vale 1,417 euros. A diferença, de 5,8 cêntimos por litro, equivale a uma poupança de pouco mais de 2,90 euros para o mesmo depósito de 50 litros.

 

Gasóleo ao preço da gasolina? Diferença está em mínimos históricos

Ler mais
Recomendadas

Rio recusa soluções para professores em que parlamento se substitua ao Governo

O líder do PSD voltou a defender que o tempo que esteve congelado “deve contar na globalidade” e que os sete anos ainda não contabilizados pelo executivo deveriam resultar de um equilíbrio entre vários fatores.

Rui Rio: “Défice foi alcançado à custa de um enorme aumento de impostos”

O presidente do PSD considerou que, face ao andamento da economia internacional que permitiu algum crescimento, “o Governo poderia, com grande facilidade, ter conseguido um resultado substancialmente melhor”, “perto do equilíbrio orçamental”.

Marcelo sobre as relações familiares no Governo: “Família de Presidente não é Presidente”

“Tenho sobre essa matéria uma posição muito pessoal, ao longo da minha vida política e também agora no exercício da presidência, que é o entender que família de Presidente não é Presidente. E portanto nisso peco por excesso, no sentido de entender que deve haver uma visão, sobretudo num órgão unipessoal como é o Presidente, mas tem marcado a minha vida, que é de não confundir as duas realidades”, referiu. o Presidente da República.
Comentários