Gasolina a caminho do maior aumento em nove meses

Aumentos acontecem tanto nas bombas das principais gasolineiras como nos postos dos hipermercados, apurou o Jornal Económico.

Se tiver um carro a gasolina, prepare-se para abastecer este fim de semana, pois os preços vão subir em força nas bombas de combustível portuguesas na próxima segunda-feira. Para os condutores com carros a gasóleo, as notícias não são tão desanimadoras.

“A evolução das cotações em euros aponta para um aumento dos preços de três cêntimos por litro na gasolina e de 0,5 cêntimos por litro na gasóleo”, adiantou fonte do setor ao Jornal Económico. Os aumentos vão sentir-se tanto nas bombas das principais gasolineiras como nos postos dos hipermercados.

Esta é a oitava semana consecutiva de aumentos para a gasolina, que passará a valer o mesmo que no início de novembro do ano passado, segundo dados da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG). No caso do gasóleo, esteve a subir durante nove semanas seguidas, mas a tendência foi interrompida esta semana com uma ligeira descida, de menos de meio cêntimo por litro.

Os dados d DGEG mostram que na primeira semana de janeiro de 2019, o gasóleo era comercializado a 1,341 euros por litro e a gasolina a 1,448 por litro, em termos médios. Atualmente, o preço médio do litro de gasolina 95 em Portugal está nos 1,512 euros. Já o gasóleo vale 1,420 euros.

Com o aumento estipulado para a próxima semana, o preço da gasolina passará a custar mais 9,4 cêntimos por litro que no início do ano. Já o gasoleo, passará a valer mais 8,4 cêntimos por litro do que em janeiro de 2019. Ou seja, quem encher um depósito de 50 litros de gasolina vai pagar mais 5 euros, em comparação com o início de 2019. No caso do gasóleo, são mais quatro euros por depósito.

Estes valores podem no entanto variar nos postos de abastecimento, já que o preço fixado na rede tem ainda em conta o nível de concorrência, da oferta e da procura em cada mercado e o nível de custos fixos de cada posto.

De acordo com o último relatório de Bruxelas, depois de impostos, o preço médio da gasolina 95 octanas praticado em Portugal é o sétimo mais caro em toda a UE. Já o gasóleo ocupa a oitava posição no ‘ranking’. O relatório da Comissão Europeia também deixa claro que a grande fatia do preço cobrado por cada litro de combustível vai para os cofres do Estado.

Entre os 28 Estados-Membros, o preço médio de referência da gasolina ronda os 1,396 euros por litro, enquanto o ‘diesel’ vale 1,350 euros por litro. Já na zona euro, um litro de gasolina custa 1,433 euros e um litro de gasóleo vale 1,345 euros.

Os mais Económicos
Gasolina(s):
– Intermarché de Valença – 1.339€

– Socrabine – 1.365€

– Jumbo da Figueira da Foz – 1.369€

– E.Leclerc da Figueira da Foz – 1.369€

– Pingo Doce do Fundão – 1.373€

Gasóleo(s):
– Intermarché de Vilar Formoso – 1.229€

– Intermarché de Vila Real de Santo António – 1.239€

– Rede Energia de Monte Gordo – 1.239€

– Pingo Doce do Fundão – 1.244€

– Intermarché do Fundão – 1.244€

Ler mais

Recomendadas

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.

Banco de Portugal quer rever regras sobre governo e controlo interno de bancos

Segundo o BdP, atualmente as regras que os bancos têm de cumprir estão nos avisos n.º 10/2011 sobre as regras que regem as remunerações e n.º5/2008 sobre sistema de controlo interno, considerando que é necessário rever estes regulamentos para levar em conta as melhores práticas e as “lições” que dos últimos anos permitiu retirar.

BCE lucra 2,4 mil milhões de euros em 2019

A maior fonte de receitas da instituição liderada por Christine Lagarde é a compra de ativos (1,4 mil milhões de euros em 2019), como a dívida pública. O Banco Central Europeu (BCE) teve um lucro de 2.366 milhões de euros em 2019, acima dos 1,6 mil milhões de euros reportados em 2018.
Comentários