Generais angolanos ‘Dino’ e ‘Kopelipa’ aguardam por medidas de coação

Os generais Leopoldino do Nascimento “Dino” e Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa” aguardam pela notificação das medidas de coação a serem aplicadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola. Notificação é aguardada, depois de terem sido ouvidos, na semana passada, no âmbito do processo que investigas indícios de terem beneficiado dos negócios que o Estado teve com a empresa China International Fund (CIF).

O antigo chefe das Comunicações do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, Leopoldino do Nascimento “Dino”, e o ex-ministro de Estado e chefe da Casa Militar, Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa”, respondem por haver fortes indícios de terem beneficiado dos negócios que o Estado teve com a empresa China International Fund (CIF), no âmbito do extinto Gabinete de Reconstrução Nacional (GRN). De acordo com uma fonte próxima ao processo citada pelo Jornal de Angola, a Procuradoria-Geral da República angolana ainda não notificou os arguidos sobre as respetivas medidas de coação a aplicar, depois de terem sido ouvidos, na semana passada, pela Direção Nacional de Investigação e Ação Penal (DNIAP).

Como oficiais generais, gozam de imunidades, não podem ser presos preventivamente antes do despacho de pronúncia. “Os oficiais generais das Forças Armadas Angolanas e comissários da Polícia Nacional não podem ser presos sem culpa formada, exceto em flagrante delito, por crime doloso punível com pena de prisão superior a dois anos”, lembrou, recentemente, uma fonte da PGR de Angola, a propósito do processo.

Na quarta-feira da semana passada, Hélder Vieira Dias “Kopelipa” (chefe da Casa Militar da Presidência angolana na era do anterior chefe de Estado, José Eduardo dos Santos) e Leopoldino do Nascimento “Dino” (chefe das comunicações no anterior regime) procederam à entrega, à PGR, angolana de bens de empresas constituídas com fundos públicos.

Em comunicado, distribuído no final da audição aos dois generais, a PGR de Angola informou que ambos, como representantes das empresas CIF e Cochan SA, entregaram os bens das fábricas de Cimento (CIF Cement), de montagem de veículos automóveis (CIF SGS Automóveis), de cerveja (CIF Lowenda Cervejas) e a CIF Logística, incluindo todos os equipamentos e máquinas.

Hélder Vieira Dias “Kopelipa” e Leopoldino do Nascimento “Dino” entregaram, igualmente, a totalidade das acções que detinham na empresa BIOCOM-Companhia de Bioenergia de Angola, Lda., através da Cochan SA, a rede de supermercados Kero, através da cedência de 90% das participações sociais do grupo Zahara Comércio SA e a empresa Damer Gráficas – Sociedade Industrial de Artes Gráficas SA.

Os representantes da empresa CIF fizeram, também, a transferência da titularidade para a esfera patrimonial do Estado dos bens apreendidos pelo Serviço Nacional de Recuperação de Activos (SNRA) da PGR, nos dias 11 e 17 de fevereiro, nomeadamente 24 edifícios, três creches, dois clubes náuticos e quatro estaleiros, na Centralidade do Zango Zero, também conhecida por “Vida Pacífica”.

A mais recente apreensão aconteceu na sequência de uma outra, realizada uma semana antes, de mais de mil imóveis inacabados, edifícios, estaleiros e terrenos na urbanização “Vida Pacífica” e no Kilamba, arredores de Luanda, que se encontravam na posse das empresas chinesas China International Fund, Limited (CIF Hong Kong) e China International Fund, Limitada (CIF Angola). Estes imóveis terão sido pagos com fundos públicos, mas não estavam na esfera patrimonial do Estado.

A PGR de Angola esclareceu que todos os bens atrás passam a integrar, de forma definitiva, a esfera patrimonial do Estado, sublinhando que esta transferência não obsta o prosseguimento do processo-crime contra os dois generais.

Em abril do ano passado, a PGR angolana já tinha anunciado a recuperação de 262 milhões de euros ao consórcio CIF Angola, na qualidade de entidade gestora do projeto de construção do novo Aeroporto Internacional de Luanda.

A CIF Limited é uma empresa privada chinesa com sede em Hong Kong e um escritório em Pequim, fundada em 2003 para financiar projetos de reconstrução nacional e desenvolvimento de infraestruturas nos países em desenvolvimento, principalmente em África.

Segundo um relatório do centro de estudos britânico Chatham House, publicado em 2009, a CIF teria ligações à China Angola Oil Stock Holding Ltd, que negociaria com o petróleo angolano através da China Sonangol International Holding.

Entre os diretores da China Sonangol International Holding estaria Manuel Vicente, ex-presidente da petrolífera estatal angolana e ex-vice-Presidente de Angola.

 

Ler mais
Relacionadas

Generais Kopelipa e Dino entregam ao Estado de Angola fábricas de cimento, de automóveis, de cervejas, 271 edifícios, 837 vivendas, clubes náuticos e estaleiros

Os generais Kopelipa e Dino, representantes das empresas CIF e Cochan, entregaram ao Estado angolano uma lista de bens que, segundo a PGR de Angola, tinham sido constituídos com fundos públicos. A entrega destes bens “não obsta o prosseguimento do processo-crime”, refere a autoridade em comunicado de 14 de outubro.
Recomendadas

“Donald Trump quer um acordo para não ser acusado”, diz ex-porta-voz Scaramucci

Num painel da Web Summit, o ex-porta-voz que se tornou crítico disse que Donald Trump quer causar “tanto estrago quanto humanamente possível” para conseguir um acordo de imunidade. Estrategas dos dois lados do espectro político disseram que a reação Trump aos resultados tem causado distração desnecessária.

Portugal compromete-se a gerir de forma sustentável toda a área oceânica até 2025

Segundo o Painel do Oceano, o oceano, que cobre 70% do planeta, dá alimentos diariamente a mais de três mil milhões de pessoas. Nele, faz-se o transporte de pelo menos 90% das mercadorias e contribui todos os anos com 1,5 biliões de dólares para a economia global.

Grupo de 14 governantes compromete-se a construir economia oceânica sustentável

“Comprometemo-nos com transformações ousadas em direção a uma economia oceânica sustentável, onde a proteção e conservação ambiental, a produção económica e a prosperidade andam de mãos dadas”, asseguraram os governantes.
Comentários