Generali Real State compra edifício de escritórios no Parque das Nações

A empresa de imobiliário Generali Real Estate, em nome do Fundo Generali Europe Income Holding (GEIH), anunciou esta quarta-feira que adquiriu ao Deutsche Bank, por um valor não revelado, um edifício de escritórios no Parque das Nações, em Lisboa. O edifício chama-se Office Oriente e está localizado na Rua do Mar da China. O edifício […]

A empresa de imobiliário Generali Real Estate, em nome do Fundo Generali Europe Income Holding (GEIH), anunciou esta quarta-feira que adquiriu ao Deutsche Bank, por um valor não revelado, um edifício de escritórios no Parque das Nações, em Lisboa. O edifício chama-se Office Oriente e está localizado na Rua do Mar da China.

O edifício de escritórios tem oito andares acima do solo, e tem 9.250 metros quadrados (m2) de área, e só está arrendado a grandes empresas.

O fundo imobiliário que possui a Generali Real Estate, a GEIH, foca-se no investimento em escritórios de gama alta e ativos imobiliários em zonas nobres das principais cidades europeias, contando com 2,8 mil milhões de euros ativos sob gestão a 30 de junho de 2019 e gerido pela Generali Real Estate.

A sociedade de advogados FCB e as consultoras Deloitte e JLL assessoraram esta operação.

“A Generali Real Estate persegue uma estratégia de investimento voltada para as principais cidades europeias, com foco em escritórios de primeira linha e ativos de retalho bem localizados que gerem fluxos de caixa estáveis a longo prazo ou com uma perspetiva de valor acrescentado”, argumenta a empresa, em comunicado.

A Generali Real Estate, um dos principais gestores de ativos imobiliários do mundo (gerindo cerca de 30 mil milhões de euros em ativos no final de 201), faz parte do grupo Generali. Fundada em 1831, a seguradora tem receitas de prémios superiores a 66 mil milhões de euros e está presente em mais de 60 países.

Recomendadas

O principal desafio para o sector das pescas é tecnológico

O presidente da Associação dos Armadores de Pesca Industrial diz que a frota precisa de um salto tecnológico que a União Europeia deveria impor e apoiar quanto antes.

Desenvolvimento tecnológico vai marcar segurança privada

Na lista das 10 tendências identificadas pela associação norte-americana de segurança, e que constam do seu último relatório, todas têm uma base tecnológica e metade respeitam a esta integração entre vídeo e software, com destaque para as ferramentas de reconhecimento facial.

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.
Comentários