Generali fecha compra da Tranquilidade por 600 milhões de euros

A Generali acaba de fechar a aquisição da Tranquilidade por um valor de 600 milhões de euros, avança a Bloomberg. A Apollo emitiu um comunicado a confirmar.

A Generali comprou a Tranquilidade por 600 milhões de euros, avançou a Bloomberg. A Apollo Global Management emitiu depois um comunicado onde dá conta que fundos geridos por subsidiárias da Apollo chegam a acordo com o Grupo Generali para a venda da Seguradoras Unidas e da AdvanceCare. Para trás ficaram os espanhóis da Catalana Occidente.

“As entidades maioritariamente detidas por fundos de investimento geridos por subsidiárias da Apollo Global Management, chegaram a acordo com o Grupo Generali para a venda da Seguradoras Unidas e da AdvanceCare. Este acordo será agora sujeito ao necessário processo de aprovação regulatória”, lê-se na nota.

Segundo o fundo Apollo “esta transação ocorre num momento natural da evolução da Seguradoras Unidas e AdvanceCare e reflete o trabalho desenvolvido por todos os colaboradores e parceiros. As empresas estão hoje mais fortes, numa tendência clara de crescimento e de melhoria de rentabilidade, suportadas numa excelente reputação e em indicadores financeiros sólidos”.

“A concretização desta operação permitirá à Seguradoras Unidas e à AdvanceCare a aceleração da bem-sucedida jornada de crescimento, a ampliação das oportunidades de desenvolvimento para os seus colaboradores, e o fortalecimento da proposta de valor para clientes e parceiros”, diz ainda o comunicado.

A Apollo garante que até à conclusão deste processo, “a Seguradoras Unidas e a AdvanceCare continuarão focadas nas prioridades de negócio, empenhadas na estratégia definida e comprometidas com os seus parceiros, clientes e colaboradores”.

A seguradora italiana Generali estava há mais de uma semana numa fase em que negociava de forma exclusiva a compra da Seguradoras Unidas (que inclui a Tranquilidade e a Açoreana) e fechou com sucesso a aquisição da segunda maior seguradora portuguesa esta quinta-feira. O valor do negócio não foi divulgado mas a Bloomberg avança com 600 milhões de euros.

O processo de leilão para a aquisição da Tranquilidade começou no início do ano e atraiu o interesse da Allianz, Ageas e Mapfre.

A seguradora Tranquilidade foi comprada pelo fundo Apollo ao Novo Banco em 2015, por cerca de 50 milhões e é o ativo mais valioso da Seguradoras Unidas.

Em 2015, o negócio e venda da seguradora foi fixado em torno de 215 milhões de euros, dos quais 50 milhões de euros em dinheiro e mais de 150 milhões para reforçar os capitais da instituição, segundo notícias da altura.

A seguradora que era do Grupo Espírito Santo tem 1,4 milhões de clientes (entre particulares e empresas) e trabalha com uma rede de distribuição de mais de 2.500 pontos de venda – 80 corretores, 2.100 agentes multimarca e 400 agentes exclusivos.

O Grupo Generali é um dos maiores grupos seguradores e de gestão de ativos do mundo. Fundado em 1831, está presente em 50 países e atingiu um total de prémios de mais de 66 mil milhões de euros em 2018. Com quase 71 mil colaboradores e 61 milhões de clientes, o Grupo Generali tem uma posição de liderança na Europa e uma presença crescente na Ásia e América Latina. Tem como ambição ser o parceiro permanente dos seus clientes, oferecendo soluções inovadoras e personalizadas com base na sua rede de distribuição inigualável.

(atualizada com comunicado oficial)

Ler mais
Recomendadas

Lucros de seis bancos em Angola afundam 28% no primeiro semestre

A crise que se instalou neste país africano obrigou as instituições bancárias a procurem alternativas de negócios que os permitisse maximizar os seus resultados

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Bundesbank alerta que economia alemã pode estar a entrar em recessão

O Bundesbank, banco central alemão, alertou esta segunda-feira que a economia alemã, a maior da Europa, pode estar a recuar durante os meses de verão, depois da contração já registada no segundo trimestre, aumentando a possibilidade de entrar em recessão.
Comentários