George W. Bush revela que entre Trump e Biden preferiu votar em Condoleezza Rice

Ex-presidente dos Estados Unidos esclareceu que não votou em Joe Biden nas presidenciais de 2020, preferindo acrescentar no boletim de voto o nome da sua antiga secretária de Estado.

George W. Bush e Laura Bush

O antigo presidente dos Estados Unidos George W. Bush revelou, numa entrevista à revista “People” que não votou em Donald Trump ou em Joe Biden nas presidenciais norte-americanas de 2020, optando por acrescentar no boletim de voto o nome de Condoleezza Rice, que foi conselheira de Segurança Nacional e mais tarde secretária de Estado durante os oito anos em que esteve na Casa Branca.

“Ela sabe que o fiz. Mas disse-me que recusaria aceitar o lugar”, disse George W. Bush, que tem sido particularmente crítico do multimilionário republicano que em 2016 derrotou a candidata democrata Hillary Clinton. Até agora admitia-se que o 43.º presidente dos Estados Unidos tivesse preferido votar em Biden, a quem telefonou para dar os parabéns pela vitória quando o resultado ainda estava a ser contestado por Trump, considerando a votação “fundamentalmente justa” e com um “desfecho claro”.

“Ofereci-lhe o mesmo que ofereci aos presidentes Trump e Obama: as minhas orações pelo seu sucesso e o meu compromisso de ajudar naquilo que puder”, explicou George W. Bush, que quatro anos apressou-se a emitir um comunicado a esclarecer que não tinha votado nem em Donald Trump nem em Hillary Clinton.

Na entrevista à “People”, destinada a promover o seu novo livro com retratos de imigrantes, Bush retomou as suas críticas ao Partido Republicano, que considera estar dominado por “vozes isolacionistas, protecionistas e, até certo ponto, nativistas”.

Mas também salientou que Trump está longe de ser o único responsável pelo polémico muro entre os Estados Unidos e o México. “Construí boa parte desse muro, tal como fizeram Clinton e Obama, e a razão é que o povo americano conta que a lei seja cumprida”, disse, apelando a reformas nos vistos para trabalhadores, no sistema de asilo e no policiamento da fronteira.

Recomendadas

Jovens entre 18 e 20 anos podem candidatar-se a 60 mil passes de interrail gratuitos

Os candidatos que ganhem um bilhete podem viajar durante 30 dias, entre março de 2022 e fevereiro de 2023, sendo que por ainda se desconhecer a evolução da pandemia, as reservas são flexíveis.

Bruxelas acusa Biden de “falta de lealdade e transparência” e exige explicações do pacto entre EUA, Austrália e Reino Unido

Charles Michel e von der Leyen consideram que existem “muitas perguntas por responder” depois de Joe Biden ter anunciado uma aliança entre a Austrália e o Reino Unido, tendo desfeito um acordo prévio entre a Austrália e a França sobre compra de submarinos. “Um dos nossos Estados-membros foi tratado de forma inaceitável, por isso queremos saber o que aconteceu e porquê”, frisou a presidente da Comissão Europeia.

Marcelo na ONU: “Conselho de Segurança deve ter presença de África, Brasil e Índia”

É um dos temas mais difíceis no interior da UNO, mas o Presidente português não quis deixar de se lhe referir. A sua intervenção foi toda ela no sentido da defesa do multilateralismo como única arma global para os problemas, que são também globais.
Comentários