GEOTA coloca ação em tribunal para impedir construção da barragem do Fridão pela EDP

A ação foi colocada em tribunal a poucos dias de o ministro do Ambiente Matos Fernandes tomar uma decisão sobre a construção da barragem do Fridão pela EDP.

Cristina Bernardo

A Associação GEOTA colocou esta segunda-feira, 15 de abril, uma ação popular no Tribunal Administrativo de Circular de Lisboa contra o avanço da Barragem do Fridão, prevista para o rio Tâmega.

As razões para esta ação prendem-se pela natureza ambiental mas também “perdas socioeconómicas, culturais, turísticas e de lazer, bem como a ameaça de viverem sob o risco de chegada de uma onda gigante, que atingiria o centro de Amarante em 13 minutos” em caso de um colapso, garante a associação, segundo um comunicado da GEOTA enviado às redações esta terça-feira, 16 de abril.

A coordenadora do projeto Rios Livres da GEOTA, Ana Brazão, diz que “esta ação serve dois propósitos: um político, como fator que evidencia a necessidade de cancelar Fridão, e outro preventivo, pois caso seja autorizado o empreendimento não admitimos que avance sem que sejam cumpridas escrupulosamente todas as regras que defendem os cidadãos, o território e o ambiente”.

Ana Brazão afirma ainda que “uma declaração de impacto ambiental com quase 10 anos é totalmente contrária ao espírito da lei. À data da aprovação, a validade do estudo era de dois anos”. A coordenadora continua e garante que as prorrogações realizadas após o prazo de validade “parece-nos um atropelo grave que põe em causa todo o processo”.

A ativista defende ainda que “caso o Governo decida permitir a construção da barragem, a única forma de garantir a transparência e a defesa do interesse público é com um novo estudo”.

Em março, durante uma entrevista no Porto Canal, o ministro do Ambiente disse que a construção desta barragem “não é necessária”, uma vez que os 80% de produção de energia de fonte renovável, previstos no Plano Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroelétrico, podem ser atingidos sem esta barragem. A decisão de Matos Fernandes em relação à construção da barragem deve ser conhecida daqui a dois dias, 18 de abril.

Ainda assim, o desfecho depende da negociação com a EDP, que pode exigir uma devolução dos 218 milhões de euros pagos em 2009 pelo direito de implementação, segundo avançou o Público. A associação admitiu ter enviado uma carta ao ministro, com argumentos sobre como pode evitar a devolução do dinheiro e uma possível indemnização.

 

 

Ler mais
Relacionadas

“Estado não deve indemnizar EDP pelo cancelamento da barragem de Fridão”, diz Geota

A EDP é a dona do projeto e, em 2008, adiantou ao Estado 218 milhões de euros pela concessão de uma infraestrutura dando como contrapartida uma contribuição de 0,6% para a produção elétrica nacional.

Construir a barragem do Fridão “vai ser uma decisão danosa e potencialmente catastrófica”, salienta Ana Brazão do GEOTA

A coordenadora do projeto ”Rios Livres”, que está atualmente a medir forças contra a EDP e o Governo para travar a construção da barragem do Fridão, sentou-se em entrevista com o JE para salientar os danos que esta infraestrutura pode provocar a nível local. Para Ana Brazão, a construção da barragem “vai ser má do ponto de vista energético para a EDP. Vai ser uma decisão danosa e potencialmente catastrófica”.

Ana Brazão do GEOTA: “Temos que desmistificar o papel das barragens na luta contra as alterações climáticas”

Engenheira ambiental e coordenadora do projeto Rios Livres do GEOTA, Ana Brazão diz que as barragens emitem gases com efeito de estufa e alerta para o impacto nos ecossistemas dos rios que “são hoje os ‘habitats’ mais ameaçados do planeta”. Em alternativa, defende a aposta na eficiência energética. E antecipa a 2ª Cimeira Europeia dos Rios que vai realizar-se no Porto, em 2020.
Recomendadas

“E a Amazónia?” Pulmão do mundo arde há 16 dias. Fumo escureceu céus de São Paulo, a 2.700 quilómetros de distância

O número de focos de incêndios verificados no Brasil é o maior dos últimos sete anos e diversos ativistas acusaram Bolsonaro de estar a silenciar o que está a acontecer. “O pessoal está pedindo para eu colocar o exército para combater. Alguém sabe o tamanho da Amazónia?”, afirmou Bolsonaro.

Ondas de calor, secas extremas, mais chuva: os verões vão mudar completamente com o aquecimento global

O alerta já foi feito pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, em 2018, sobre os impactos da subida da temperatura em 1,5º Celsius. Agora, um novo estudo vem informar que se o percurso das emissões actuais se mantiver, o aumento dos dois graus Celsius poderá ser alcançado em meados deste século com possibilidade de chegar aos três graus Celsius.

Islândia perde primeiro glaciar e realiza funeral para honrar ‘Ok’

“Nos próximos 200 anos, estima-se que todos os nossos glaciares sigam o mesmo caminho. Este monumento serve para reconhecer que nós sabemos o que está a acontecer e o que precisa de ser feito”, lê-se na descrição da placa colocada para honrar Okjökull.
Comentários