Geringonça 2.0: quem pode vir a apoiar o novo Governo do PS?

Na agenda de António Costa, estão marcados encontros com o Livre, PAN, Verdes, PCP e Bloco de Esquerda, mas há já partidos que se mostraram indisponíveis para a formação de uma coligação partidária. Tal não significa, no entanto, que não estejam disponíveis para acordos pontuais com o PS.

antonio_costa_legislativas_altis_3
Mário Cruz/Lusa

O secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, vai reunir-se esta quarta-feira com vários partidos para negociar as condições de governação durante a próxima legislatura. Na agenda, estão marcados encontros com o Livre, PAN, Verdes, PCP e Bloco de Esquerda, mas já há partidos que se mostraram indisponíveis para a formação de uma coligação partidária. Tal não significa, no entanto, que não estejam disponíveis para acordos pontuais com o PS.

Depois de ter sido indigitado como primeiro-ministro, António Costa vai ter um dia de reuniões longo na sede dos partidos com quem que dialogar sobre a próxima legislatura. O líder socialista considera que “os portugueses gostaram da geringonça e desejam a continuidade da atual solução política”. Com uma nuance: António Costa quer estender a ‘geringonça’ a outros partidos como o PAN e o Livre.

À saída do Palácio de Belém, onde os dez partidos que vão compor a Assembleia da República na próxima legislatura se reuniram com o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, tanto o Livre, como o PAN, PEV, PCP e BE afirmaram estar disponíveis para dialogar, mas rejeitam uma coligação.

Joacine Katar Moreira, deputada eleita pelo Livre pelo círculo eleitoral de Lisboa, foi a primeira a ser ouvida por Marcelo Rebelo de Sousa e, à saída da reunião, afirmou que não é objetivo do Livre “entrar na constituição de nenhuma coligação partidária”.

“No nosso olhar, nós estamos completamente disponíveis para conversar e dialogar com os outros partidos políticos e numa eventualidade consideraríamos util e necessário que houvesse uma espécie de entendimento multilateral, que não seja algo a que, iniciado hoje, com a eleição de uma única deputada, não é o nosso objetivo entrar na constituição de nenhuma coligação partidária”, afirmou.

Também André Silva, dirigente do PAN, afirmou que “não está, à partida, disponível para coligações partidárias”, mas sublinha que isso não impede que o partido tenha “uma postura sempre pró-ativa e muito construtiva de diálogo e de pontes com o PS”. “Queremos ouvir o que o PS pretende da reunião com o PAN”, acrescentou.

Já o PEV não fecha a porta ao diálogo, desde que esteja garantida “a mesma disponibilidade e disposição para aprovar propostas que venham a promover justiça social e equilíbrio ambiental”. O PCP, parceiro de coligação do PEV nas legislativas, disse que está disponível para negociar apenas “caso a caso”, tendo em conta que não há “qualquer papel” ou compromisso escrito.

“Da nossa parte, faremos uma conjuntura diferente de há quatro anos, pautaremos a nossa intervenção por uma ideia clara de um partido que teve a votação que teve. É com esses votos que iremos reafirmar a nossa disponibilidade para procurar uma política de avanços que solidifique em relação a problemas de fundo na sociedade civil”, afirmou Jerónimo de Sousa.

O BE diz também que está disponível para negociar com o PS e, à saída do Palácio de Belém, lamentou que não haja qualquer compromisso escrito com o PS, tal como aconteceu há quatro anos. A líder bloquista disse ainda que para o BE apoiar o Governo do PS vai impor condições.

“O BE já afirmou disponibilidade para essa negociação como fizemos há quatro anos. Naturalmente que, o PS depois tem legitimidade para um Governo minoritário, que negoceie Orçamento a Orçamento, caso a caso. Não colocamos em causa essa opção”, disse a coordenadora do BE, Catarina Martins.

Par decidir como vai completar o novo puzzle político, António Costa reune-se esta manhã, às 10h00, na sede do Livre, na Praça Olegário Mariano, em Lisboa. Depois, António Costa segue para a sede do PAN, na Avenida Almirante Reis, para se reunir com André Silva, que conseguiu aumentar a representação parlamentar do PAN de um para quatro deputados. O encontro decorre por volta das 11h30.

Da parte da tarde, a delegação do PS, composta por António Costa, Carlos César, Ana Catarina Mendes e Duarte Cordeiro, segue para a sede do PCP, na rua Soeiro Pereira Gomes, onde tem reunião marcada para as 16h00. A ronda negocial termina com um encontro na sede do BE, na rua da Palma, às 18h00.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento Europeu aprova medidas para atenuar efeitos de um Brexit sem acordo

Os eurodeputados aprovaram um conjunto de medidas que têm como objetivo prorrogar propostas de contingência relativas ao orçamento da UE, aos transportes e às pescas e assegurar apoio financeiro aos mais afetados por um Brexit sem acordo.

“Uma perda de tempo e energia”. Juncker critica impasse do Brexit

O processo de divórcio entre o Reino Unido e os 27 está dependente da sessão parlamentar desta tarde, na Câmara dos Comuns. Até que se chegue a um consenso em Westminster, os eurodeputados no Parlamento Europeu não deverão aprovar o acordo do Brexit.

Brexit: este foi o acordo que a Câmara dos Comuns se recusou a debater novamente

Para perceber o que representa a saída do Reino Unido da União Europeia, há que entender os quatro pontos fundamentais em que se baseia o acordo de saída. Câmara dos Comuns recusou debater e votar novamente este acordo.
Comentários