PremiumGestores têm de aprender todos os dias e de ser multifuncionais

Pedro Gouveia Alves, do Montepio Crédito, e José Theotónio, do Grupo Pestana, concordam que todos os quadros devem ter formação tecnológica.

John Davison Rockefeller, o histórico empresário norte-americano do setor petrolífero, acreditava que “uma boa gestão consiste em mostrar às pessoas comuns como fazer o trabalho de pessoas superiores”. Tanto no final do século XIX como agora, no início de 2020, a frase continua a fazer sentido, porque os executivos de topo são cada vez mais “postos à prova” – pela concorrência, pela tecnologia e pela tarefa hercúlea que continua a ser gerir profissionais que são, ao mesmo tempo, seres humanos.

“Tem de haver uma gestão transversal nas organizações, mas costumo dizer – até para a minha equipa – que os gestores das equipas são os responsáveis por elas, pelo seu desenvolvimento. Uma forma de garantir maior abertura por parte dos gestores de topo é desafiá-los em termos de rotatividade das funções”, disse nesta quarta-feira o CEO do Montepio Crédito, ao Jornal Económico (JE), à margem da sexta de seis conversas mensais do ciclo “30’ a 3”, organizado pelo Montepio Crédito e pelo JE.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Grupo Pestana recruta cada vez mais engenheiros informáticos para os hotéis

“Todas as empresas e quadros já se consciencializaram de que a aprendizagem tem de ser contínua”, disse esta quarta-feira o CEO, José Theotónio, no ciclo de conversas “30′ a 3”, promovido pelo Montepio Crédito e pelo Jornal Económico.

Quais os desafios da gestão em Portugal? Assista ao “30’ a 3” com o CEO do Grupo Pestana

Esta quarta-feira, entre as 18h30 e as 19h00, realiza-se a sexta de seis conversas mensais promovidas pelo Jornal Económico e pelo Montepio Crédito, num ciclo que visa promover o debate e o esclarecimento público sobre os temas mais decisivos para o futuro do país.

PremiumBanca deve garantir que intermediários prestam bons serviços

“Uma estrutura mais ágil e enxuta, com menos custos, acaba por não ter esta estrutura a que a regulamentação dos sistemas financeiros obriga”, afirma o presidente do Montepio Crédito.
Comentários