PremiumGestores têm de aprender todos os dias e de ser multifuncionais

Pedro Gouveia Alves, do Montepio Crédito, e José Theotónio, do Grupo Pestana, concordam que todos os quadros devem ter formação tecnológica.

John Davison Rockefeller, o histórico empresário norte-americano do setor petrolífero, acreditava que “uma boa gestão consiste em mostrar às pessoas comuns como fazer o trabalho de pessoas superiores”. Tanto no final do século XIX como agora, no início de 2020, a frase continua a fazer sentido, porque os executivos de topo são cada vez mais “postos à prova” – pela concorrência, pela tecnologia e pela tarefa hercúlea que continua a ser gerir profissionais que são, ao mesmo tempo, seres humanos.

“Tem de haver uma gestão transversal nas organizações, mas costumo dizer – até para a minha equipa – que os gestores das equipas são os responsáveis por elas, pelo seu desenvolvimento. Uma forma de garantir maior abertura por parte dos gestores de topo é desafiá-los em termos de rotatividade das funções”, disse nesta quarta-feira o CEO do Montepio Crédito, ao Jornal Económico (JE), à margem da sexta de seis conversas mensais do ciclo “30’ a 3”, organizado pelo Montepio Crédito e pelo JE.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

António Horta-Osório alerta para a importância de manter a saúde mental

Num testemunho pessoal, o ainda presidente do Lloyds contou como a sua experiência permitiu a criação de programas de desenvolvimento pessoal e bem-estar mental para executivos e colaboradores do banco britânico.

Fundação José Neves: “Se trabalharmos na educação teremos portugueses mais felizes, empresas mais produtivas e um país melhor”

A fundação criada pelo CEO da Farfetch foi oficialmente apresentada esta terça-feira, no Porto, sob o mote do desenvolvimento humano e de um modelo económico assente no conhecimento. “Queremos começar a criar impacto hoje”, garante o empresário.

Alexandra Leitão: “Tecnologia facilita deslocalização dos serviços públicos para o interior”

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública vinca que a tecnologia vai ajudar a resolver problemas de baixa densidade populacional no interior, melhorar a mobilidade e resolver problemas de carência habitacional. Declarações proferidas na sessão de encerramento da conferência “Autarquias, empresas e cidadãos”, realizada no âmbito da “Portugal Smart Cities 2020”, organizada pela Fundação AIP e da qual o Jornal Económico é media partner
Comentários