Glaciar na montanha mais alta dos Alpes em risco de colapso

O degelo no Monte Branco já levou ao corte de estradas na região e à evacuação de algumas cabanas nas montanhas.

O degelo deixou de ser um problema da Gronelândia, Antártida ou Ártico. O risco de colapso de um bloco de gelo de 250 mil metros cúbicos atingiu agora o Monte Branco, a mais alta montanha dos Alpes e da União Europeia.

O alerta sobre o risco do glaciar Planpincieux, no pico das Grandes Jorasses, foi dado por climatologistas, avança a BBC. A indicação de que os blocos de gelo estavam a cair em quantidades entre 50 a 60 centímetros por dia levou as autoridades italianas a decidir encerrar estradas e evacuar algumas cabanas nas montanhas.

Os especialistas do governo regional do Vale de Aosta e da Fundação Safe Mountain dizem que é impossível prever ao certo quando é que a massa de gelo entrará em colapso, mas, por precaução, há governantes dos Alpes a tomar medidas desde esta terça-feira.

O autarca da região italiana de Courmayeu assinou um pedido de encerramento de estradas no Vale Ferret apesar de garantir que ainda não existia uma ameaça real às áreas residenciais ou aos estabelecimentos turísticos. “Esses fenómenos mostram mais uma vez como a montanha está a passar por um período de grandes mudanças devido a fatores climáticos e, portanto, é particularmente vulnerável”, explicou Stefano Miserocchi à imprensa local.

Recomendadas

CAP vê no ‘Green Deal’ um “documento de marketing da Comissão Europeia”

A última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal realiza-se esta quarta-feira, com a participação de Luís Mira, secretário-geral da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Hector Lujan, presidente e CEO da Reiter Affiliated Companies e Ana Trigo Morais, CEO da Sociedade Ponto Verde, entre outros.

‘Green Deal’. CEO da Jerónimo Martins Agro-alimentar defende que produção animal exige “maior disciplina”

Na última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal, promovida pela Lusomorango, à qual o Jornal Económico é media partner, António Serrano argumentou que, “à partida, a pressão vai estar na produção animal, em particular na produção de carne e de leite”. Isto por serem “áreas mais expostas”.

Secas e ondas de calor triplicaram na Europa. Investigadores analisam impacto na agricultura

Na análise foram tidas em conta secas, ondas de calor, vagas de frio e cheias. Dividimos o período de estudo em duas partes, uma até 1990 e outra de 1991 a 2018, “e verificamos que as perdas na agricultura são muito maiores na segunda parte”, disse Teresa Armada Brás.
Comentários