Glaciar na montanha mais alta dos Alpes em risco de colapso

O degelo no Monte Branco já levou ao corte de estradas na região e à evacuação de algumas cabanas nas montanhas.

O degelo deixou de ser um problema da Gronelândia, Antártida ou Ártico. O risco de colapso de um bloco de gelo de 250 mil metros cúbicos atingiu agora o Monte Branco, a mais alta montanha dos Alpes e da União Europeia.

O alerta sobre o risco do glaciar Planpincieux, no pico das Grandes Jorasses, foi dado por climatologistas, avança a BBC. A indicação de que os blocos de gelo estavam a cair em quantidades entre 50 a 60 centímetros por dia levou as autoridades italianas a decidir encerrar estradas e evacuar algumas cabanas nas montanhas.

Os especialistas do governo regional do Vale de Aosta e da Fundação Safe Mountain dizem que é impossível prever ao certo quando é que a massa de gelo entrará em colapso, mas, por precaução, há governantes dos Alpes a tomar medidas desde esta terça-feira.

O autarca da região italiana de Courmayeu assinou um pedido de encerramento de estradas no Vale Ferret apesar de garantir que ainda não existia uma ameaça real às áreas residenciais ou aos estabelecimentos turísticos. “Esses fenómenos mostram mais uma vez como a montanha está a passar por um período de grandes mudanças devido a fatores climáticos e, portanto, é particularmente vulnerável”, explicou Stefano Miserocchi à imprensa local.

Recomendadas

Sem turistas, canais de Veneza estão mais limpos que nunca

Golfinhos, peixes e cisnes fazem agora parte dos canais de Veneza, que há várias décadas não viam a água tão transparente.

Covid-19: novas recomendações para a gestão de resíduos

Os sacos de lixo devem ser devidamente fechados e colocados dentro de um segundo saco, fechado, e depositado no contentor de resíduos indiferenciados”. Viaturas de recolha e contentores devem ser mais higienizadas. Caso se verifique uma taxa de absentismo que não permita a recolha adequada, e de forma seletiva de todas as frações de resíduos urbanos, preconiza-se a recolha conjunta da fração indiferenciada e da depositada seletivamente, garantindo sempre que a frequência de recolha de resíduos indiferenciados não é prejudicada.

Covid-19: Foram emitidas menos um milhão de toneladas de CO2 por dia

A Agência Internacional de Energia (AIE) divulgou esta semana um relatório segundo o qual a procura global de petróleo deve contrair-se este ano pela primeira vez desde 2009, devido à Covid-19, sendo que estão em causa menos 90.000 barris de petróleo por dia em relação ao ano passado, não ultrapassando os 99,9 milhões de barris por dia.
Comentários