Glaciar na montanha mais alta dos Alpes em risco de colapso

O degelo no Monte Branco já levou ao corte de estradas na região e à evacuação de algumas cabanas nas montanhas.

O degelo deixou de ser um problema da Gronelândia, Antártida ou Ártico. O risco de colapso de um bloco de gelo de 250 mil metros cúbicos atingiu agora o Monte Branco, a mais alta montanha dos Alpes e da União Europeia.

O alerta sobre o risco do glaciar Planpincieux, no pico das Grandes Jorasses, foi dado por climatologistas, avança a BBC. A indicação de que os blocos de gelo estavam a cair em quantidades entre 50 a 60 centímetros por dia levou as autoridades italianas a decidir encerrar estradas e evacuar algumas cabanas nas montanhas.

Os especialistas do governo regional do Vale de Aosta e da Fundação Safe Mountain dizem que é impossível prever ao certo quando é que a massa de gelo entrará em colapso, mas, por precaução, há governantes dos Alpes a tomar medidas desde esta terça-feira.

O autarca da região italiana de Courmayeu assinou um pedido de encerramento de estradas no Vale Ferret apesar de garantir que ainda não existia uma ameaça real às áreas residenciais ou aos estabelecimentos turísticos. “Esses fenómenos mostram mais uma vez como a montanha está a passar por um período de grandes mudanças devido a fatores climáticos e, portanto, é particularmente vulnerável”, explicou Stefano Miserocchi à imprensa local.

Recomendadas

Próximo relatório global sobre alterações climáticas começa a ser escrito em Faro

Os especialistas do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas da ONU, estão reunidos em Faro, até sábado, para avançar na elaboração do sexto relatório ambiental que deverá ser publicado entre 2021 e 2022.

Quer combater o aquecimento global? Plante uma árvore

Um estudo publicado na revista Science, que refere que a forma mais eficaz de lutar contra as alterações climáticas está na reflorestação, insta a que se plantem muitas árvores. Cerca de 1,2 biliões seria um bom número, mas a Tree-Nation garante que seis por mês ajudam a compensar a pegada de carbono num ano.

Cheias no Mondego: Ambiente estranha declarações do presidente da CAP sobre cheias no Mondego

Presidente da CAP disse que se não chover mais, vai faltar água no Mondego no próximo verão. Ministério liderado por João Pedro Matos Fernandes reage, dizendo que baixo caudal é intencional para garantir a segurança das pessoas.
Comentários