Glaciar na montanha mais alta dos Alpes em risco de colapso

O degelo no Monte Branco já levou ao corte de estradas na região e à evacuação de algumas cabanas nas montanhas.

O degelo deixou de ser um problema da Gronelândia, Antártida ou Ártico. O risco de colapso de um bloco de gelo de 250 mil metros cúbicos atingiu agora o Monte Branco, a mais alta montanha dos Alpes e da União Europeia.

O alerta sobre o risco do glaciar Planpincieux, no pico das Grandes Jorasses, foi dado por climatologistas, avança a BBC. A indicação de que os blocos de gelo estavam a cair em quantidades entre 50 a 60 centímetros por dia levou as autoridades italianas a decidir encerrar estradas e evacuar algumas cabanas nas montanhas.

Os especialistas do governo regional do Vale de Aosta e da Fundação Safe Mountain dizem que é impossível prever ao certo quando é que a massa de gelo entrará em colapso, mas, por precaução, há governantes dos Alpes a tomar medidas desde esta terça-feira.

O autarca da região italiana de Courmayeu assinou um pedido de encerramento de estradas no Vale Ferret apesar de garantir que ainda não existia uma ameaça real às áreas residenciais ou aos estabelecimentos turísticos. “Esses fenómenos mostram mais uma vez como a montanha está a passar por um período de grandes mudanças devido a fatores climáticos e, portanto, é particularmente vulnerável”, explicou Stefano Miserocchi à imprensa local.

Recomendadas

Águas de Santarém lança marca própria de água

O lançamento da marca águAS contempla uma nova garrafa reutilizável, um rótulo e um posicionamento de marca semelhante a qualquer outra insígnia de água.

PSD quer criar “Conselho de Finanças Públicas para o Clima”

Os social-democratas querem que o Conselho para a Ação Climática faça o acompanhamento das alterações climáticas e da política do clima e funcione como entidade independente com obrigação de prestar contas à Assembleia da República.

Potencial de aquecimento global diminuiu 4,5% em 2018

Segundo os dados, como sucede desde 1999, “o ramo de atividade económica que mais contribuiu para o potencial de aquecimento global foi a energia, água e saneamento (32,2%)”, sendo que face a 2017, “este foi também o ramo de atividade que mais reduziu as suas emissões (-11,4%)”.
Comentários