GNR registou mais de 900 crimes de abandono e maus tratos a animais

A GNR dispõe de uma linha de apoio – a Linha SOS Ambiente e Território (808 200 520) – em funcionamento 24 horas por dia, através do qual foram recebidas 3.942 denúncias referentes a animais de companhia, no ano passado.

Mais de 920 crimes contra animais foram registados pela Guarda Nacional Republicana (GNR) no ano passado, a maioria por maus tratos, anunciou aquela força militarizada. Segundo a GNR, dos 924 crimes registados no âmbito das ações de sensibilização e fiscalização aos animais de companhia, 588 foram por maus tratos e 336 por abandono.

Foram ainda aplicadas 4.784 contraordenações relacionadas com o controlo das regras de circulação na via pública, a obrigatoriedade de vacinação, o registo e a identificação, sendo que 444 dizem respeito a cães perigosos ou potencialmente perigosos. No que se refere ao ataque de cães a pessoas, foram reportados à GNR no ano passado 257 casos.

A GNR dispõe de uma linha de apoio – a Linha SOS Ambiente e Território (808 200 520) – em funcionamento 24 horas por dia, através do qual foram recebidas 3.942 denúncias referentes a animais de companhia.

De acordo com a GNR, as ações de sensibilização e fiscalização desenvolvidas no ano passado tiveram como objetivo consciencializar as pessoas para a defesa da saúde pública, para a adequada responsabilização do detentor face à necessidade da salvaguarda dos parâmetros sanitários e de bem-estar animal, privilegiando as situações de abandono e maus tratos.

Segundo a legislação atual, quem tratar mal ou abandonar animais domésticos passa a ficar privado do direito de ter animais num período que pode ir até cinco anos e de participar em feiras, exposições ou concursos relacionados com animais durante três anos, incorrendo ainda numa pena de ano de prisão ou de multa até 120 dias.

Relativamente a animais perigosos, a GNR dá formação aos detentores de cães perigosos e potencialmente perigosos e certifica os treinadores destes cães. A lista dos cães perigosos inclui a raça rottweiler, o cão de fila brasileiro, o dogue argentino, o pit bull terrier, o staffordshire terrier americano, o staffordshire bull terrier e o tosa inu.

Relacionadas

Ratos engoliram 300 euros em notas de um banco e foram adotados pelos funcionários

Depois do “assalto”, os empregados do ForteBank, no Cazaquistão, quiseram levá-los para casa.
Recomendadas

Ifo. Cerca de 40% dos economistas considera que políticas ambientais europeias são insuficientes

Numa altura em que as políticas de “carbon pricing” da UE se vão estender aos edifícios e aos transportes rodoviários, os economistas consultados pelo Instituto de Pesquisa Económica alemão pedem que também o aquecimento

Descoberto mecanismo que pode explicar maior ou menor gravidade da infeção por Covid-19

O estudo, liderado pela investigadora Salomé Pinho, mostrou que as células T circulantes “trocam os seus glicanos [moléculas de açúcar] de forma específica após a infeção com o SARS-CoV-2” e que essa alteração é “mais pronunciada” em indivíduos assintomáticos do que sintomáticos.

“Imparidades? Temos verificado alguma estabilidade a este nível em Portugal”, revela responsável da Cetelem

Dados do Barómetro Europeu do Observador Cetelem revelam que Portugal foi o terceiro país europeu com maior impacto negativo no poder de compra para os consumidores. Nesta “Fast Talk” da plataforma multimédia JE TV, José Pedro Pinto, Executive Administrator & Chief Marketing and Sales da Cetelem, pormenoriza mais dados sobre este estudo.
Comentários