Google prepara-se para comprar edifício em Nova Iorque por 2,1 mil milhões

A aquisição é a mais cara para qualquer prédio comercial nos Estados Unidos desde o início da pandemia, segundo os dados da Real Capital Analytics.

Embora grande parte da sua força de trabalho permaneça a trabalhar remotamente, a Google prepara-se para avançar com a compra de um prédio, que já aluga, na zona de Manhattan, em Nova Iorque, por 2,1 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros).

Segundo o “Wall Street Journal”, a gigante tecnológica pretende que o edifício sirva de “âncora” para o seu novo campus na mesma área. Esta será a compra mais cara para qualquer prédio comercial nos EUA desde o início da pandemia, segundo dados da Real Capital Analytics.

O acordo é visto como um sinal positivo para Nova Iorque, à medida que regressa sai da pandemia, embora grandes empregadores, incluindo a Google, tenham adiado as suas datas de regresso ao escritório. A Google definiu janeiro como data de regresso ao espaço físico para os seus funcionários. Ainda assim, Sundar Pichai, presidente-executivo da Google, disse anteriormente que espera que 20% dos funcionários continuem a trabalhar à distância mesmo após a reabertura.

Tal como outras empresas de tecnologia, a Google prosperou no último ano, utilizando a receita para investir em imóveis e outras iniciativas. Os consumidores confiaram ainda mais nos serviços de internet da gigante tecnológica durante o confinamento, incluindo para a escola, trabalho e entretenimento.

Os planos aumentam a já grande pegada do Google em Manhattan. A empresa anunciou anteriormente que iria investir 250 milhões de dólares (213 milhões de euros) na cidade de Nova Iorque este ano e que iria expandir o seu quadro de funcionários na área de 12 mil para 14 mil durante os próximos anos.

O campus com o edifício que pretende adquirir será o maior escritório da Google fora da Califórnia, de acordo com a diretor financeiro, Ruth Porat. O campus terá cerca de 1,7 milhão metros quadrados e abrigará as equipas de vendas e parcerias da Google.

Recomendadas

Movimento nos aeroportos portugueses sobe 2,3% até setembro para 15,2 milhões de passageiros

O número de passageiros que passou pelos aeroportos portugueses aumentou, em termos homólogos, em 2,3%, para 15,2 milhões até setembro, adiantou em comunicado a Vinci, que detém a ANA – Aeroportos de Portugal.

Matos Fernandes descarta medidas adicionais para atenuar subida dos preços da energia

O Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, disse esta sexta-feira que “não vai haver necessidade” de falar de medidas adicionais para atenuar a subida dos preços da eletricidade “nos meses mais próximos”.

Galp: “Evento na Unidade de Destilação Atmosférica de Sines” não teve impacto no abastecimento do mercado português

“Seguindo os protocolos de segurança, a Empresa parou a operação da DAT que, após o seu arranque, é esperado que opere com taxas de utilização mais reduzidas durante algumas semanas”, anuncia a Galp.
Comentários