Google suspende programa de reconhecimento facial após polémica

Em troca do cartão no valor de cinco dólares, a Google obtinha uma fotografia do rosto de vários cidadãos pertencentes a minorias, nomeadamente de afro-americanos.

Roman Pilipey/EPA via Lusa

A empresa tecnológica norte-americana Google confirmou esta passada segunda-feira, 7 de outubro, a suspensão do programa que previa melhorar a técnica de reconhecimento facial, avança o jornal espanhol ‘Expansión’. Desde o início que este programa tem sido polémico, uma vez que pagava cinco dólares a estudantes e sem abrigos para o seu rosto ir para um banco de dados.

Em troca do cartão no valor de cinco dólares, a Google obtinha uma fotografia do rosto de vários cidadãos pertencentes a minorias, nomeadamente de afro-americanos. O jornal espanhol avança que a recolha de fotografias de afro-americanos era o objetivo do programa, uma vez que os sistemas de reconhecimento facial foram acusados de serem pouco diversificados em termos raciais.

A agência de trabalho temporário Randstad foi abordada pela tecnológica para realizar a recolha de imagens de diversos rostos. De acordo com a imprensa norte-americana, os trabalhadores da agência receberam ordens para “não serem claros” relativamente ao propósito da recolha com as pessoas que disponibilizavam fotografias do seu rosto a três dimensões.

A advogada Nina Hickson afirmou numa carta enviada à Google que “a possibilidade dos membros das nossas populações mais vulneráveis ​​estarem a ser explorados para o progresso dos interesses comerciais da vossa empresa é muito alarmante por várias razões “.

As imagens dos cidadãos da cidade de Atlanta iam fornecer informação para o novo smartphone Pixel 4, que pretendia obter mais diversidade ao nível do rosto de cidadãos pertencentes a minorias. Um estudo realizado no ano passado descobriu que o reconhecimento facial identificou, de forma incorreta, 28 congressistas norte-americanos pertencentes a minorias étnicas como criminosos, quando a sua fotografia era comparada com imagens da base de dados da polícia.

Recomendadas

Uber lançou em Portugal um novo serviço de entregas entre clientes

Novo serviço da Uber permite aos clientes da Uber enviar entre si artigos através da aplicação móvel, tendo por garantia o transporte do objeto por um motorista da empresa. Uber Connect já está disponível em Lisboa, Porto, Braga, Algarve, Coimbra, Aveiro, Évora e Funchal.

Google processada em 4,5 mil milhões por recolher dados pessoais em modo privado no Chrome

A ação coletiva sugere que milhões de utilizadores do Google que navegam na Internet em modo privado desde o dia 1 junho de 2016, continuam a ser alvo de recolha de informação por parte da tecnológica mesmo sem o seu consentimento

Zoom capitaliza constrangimentos da pandemia e receitas disparam 169%

A tecnológica que disponibiliza um serviço de videoconferência tornou-se na mais recente mina de ouro da internet, depois de milhões de pessoas recorrerem ao Zoom para mitigar o isolamento social em tempos de pandemia. Lucro passou de 198 mil dólares há um ano para 27 milhões de dólares.
Comentários