Google suspende programa de reconhecimento facial após polémica

Em troca do cartão no valor de cinco dólares, a Google obtinha uma fotografia do rosto de vários cidadãos pertencentes a minorias, nomeadamente de afro-americanos.

Roman Pilipey/EPA via Lusa

A empresa tecnológica norte-americana Google confirmou esta passada segunda-feira, 7 de outubro, a suspensão do programa que previa melhorar a técnica de reconhecimento facial, avança o jornal espanhol ‘Expansión’. Desde o início que este programa tem sido polémico, uma vez que pagava cinco dólares a estudantes e sem abrigos para o seu rosto ir para um banco de dados.

Em troca do cartão no valor de cinco dólares, a Google obtinha uma fotografia do rosto de vários cidadãos pertencentes a minorias, nomeadamente de afro-americanos. O jornal espanhol avança que a recolha de fotografias de afro-americanos era o objetivo do programa, uma vez que os sistemas de reconhecimento facial foram acusados de serem pouco diversificados em termos raciais.

A agência de trabalho temporário Randstad foi abordada pela tecnológica para realizar a recolha de imagens de diversos rostos. De acordo com a imprensa norte-americana, os trabalhadores da agência receberam ordens para “não serem claros” relativamente ao propósito da recolha com as pessoas que disponibilizavam fotografias do seu rosto a três dimensões.

A advogada Nina Hickson afirmou numa carta enviada à Google que “a possibilidade dos membros das nossas populações mais vulneráveis ​​estarem a ser explorados para o progresso dos interesses comerciais da vossa empresa é muito alarmante por várias razões “.

As imagens dos cidadãos da cidade de Atlanta iam fornecer informação para o novo smartphone Pixel 4, que pretendia obter mais diversidade ao nível do rosto de cidadãos pertencentes a minorias. Um estudo realizado no ano passado descobriu que o reconhecimento facial identificou, de forma incorreta, 28 congressistas norte-americanos pertencentes a minorias étnicas como criminosos, quando a sua fotografia era comparada com imagens da base de dados da polícia.

Recomendadas

PremiumInvestimento na digitalização sobe, mas menos que expectável

Estudo mostra que empresas de Tecnologia, Turismo, Hotelaria e Restauração estão perto do patamar digital avançado. Bancos são os que se focam mais na experiência digital dos clientes.

PremiumTecnologia. Como as criptomoedas estão a chegar ao futebol

As transações em moedas digitais já são uma realidade no mundo desportivo. Os portugueses Nuno Correia, César Carvalho e Hélder Silva lideram projetos inovadores e acreditam que as criptomoedas serão o “dinheiro de amanhã” no futebol.

Em menos de uma década 85% das interações com os clientes serão automatizadas

De acordo com o gestor da Oracle Portugal, Bruno Morais, que apresentou um estudo da empresa na IDC Directons, esta semana, “a automatização das tarefas diárias, que deverá atingir 70% nas TI até 2025, irá duplicar a produtividade nesse período”.
Comentários