Governo abriu 53 mercados fora da UE e exporta cerca de 200 produtos

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, destacou hoje que, nos últimos três anos, foram abertos “53 mercados” fora da União Europeia para exportar “cerca de 200 produtos” nacionais, encontrando-se em negociação mais “cerca de 50” mercados.

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos (E), acompanhado pelos secretários de Estados, da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira (E), e das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel João de Freitas (D), intervém durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a sua audição perante a Comissão, no âmbito das audiências sobre o Orçamento do Estado (OE) para 2018, na Assembleia da República, em Lisboa, 14 de novembro de 2017. JOÃO RELVAS/LUSA

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, destacou hoje que, nos últimos três anos, foram abertos “53 mercados” fora da União Europeia para exportar “cerca de 200 produtos” nacionais, encontrando-se em negociação mais “cerca de 50” mercados.

“Nos últimos três anos, desde que estou no Governo, abrimos 53 mercados de países terceiros, fora da União Europeia, para cerca de 200 produtos portugueses”, frisou o ministro, em declarações aos jornalistas, em Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora.

Capoulas Santos acrescentou ainda que, “neste momento”, Portugal está “em negociação com outros cerca de 50 mercados” fora do espaço comunitário para a exportação de produtos nacionais.

O governante, que tutela as pastas da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, falava aos jornalistas depois de assistir à cerimónia que marcou o início da exportação de carne de porco portuguesa para a República Popular da China.

Os primeiros 10 contentores, com 270 toneladas de carne, no valor de um milhão de euros, saíram hoje do matadouro da Maporal, em Reguengos de Monsaraz, e vão ser expedidos a partir do Porto de Sines, tendo como destino a província chinesa de Hunan, onde devem chegar dentro de aproximadamente um mês.

Em relação à exportação de carne de porco portuguesa, o ministro da Agricultura realçou que o atual Governo abriu “os maiores mercados do mundo” para esta fileira, ou seja, “a Coreia, a Índia e, agora, a China”.

Dos cerca de 200 produtos exportados para os 53 mercados abertos nos últimos três anos, explicou o ministro à agência Lusa, “um terço é de origem vegetal” e “cerca de dois terços é de origem animal”.

Entre o que é exportado, elencou, encontram-se “produtos frescos, produtos transformados, fruta, vinhos, leite, toda a diversidade de produtos” que o país tem para oferecer e “alguns setores estão a crescer imenso”.

“Isto é capaz de ser uma surpresa para muito gente”, mas, no setor “dos pequenos frutos vermelhos, das framboesas, Portugal já abastece 40% do mercado europeu”, revelou, acrescentando: “E estes pequenos frutos vermelhos já quase duplicaram as exportações da pera-rocha”.

O acordo relativo à exportação de carne de porco portuguesa foi celebrado com o chinês ACME Group, ficando os portugueses ICM, a AGP Meat e Montalva responsáveis pela exportação.

As exportações de carne de porco portuguesa para a China vão movimentar um volume de negócios de 100 milhões de euros este ano e de 200 milhões de euros em 2020.

Ler mais
Recomendadas

PremiumVindimas no Douro vão ter aumento de 30% na produção

O IVV prevê uma boa vindima de norte a sul do país, incluindo a Madeira e os Açores. Para as regiões do Dão e da Beira esperam-se ‘disparos’ de produção de 35%. Tejo e Lisboa são as únicas a cair.

Portugal vai poder exportar cavalos para a Arábia Saudita

O Ministério da Agricultura assinala ainda que está a trabalhar de forma intensa na abertura de mais 57 mercados para exportação de 269 produtos, sendo 22 da área animal e 46 da área vegetal.

Governo aprova investimentos de mais 1,5 milhões em novos regadios

Ao todo, serão beneficiados cerca de 700 hectares, com um investimento público de 1,5 milhões de euros. Serão abrangidos por estes projetos 540 agricultores dos concelhos de Arouca, Baião, Felgueiras, Lousada, Paredes, Penafiel, Valongo e Vinhais.
Comentários