Governo autoriza compra de cinco helicópteros ligeiros

Defesa autorizou a compra de cinco helicópteros ligeiros para substituir a frota de Alouette III da Força Aérea Portuguesa, que opera há mais de 50 anos, no montante de 20,5 milhões de euros.

O despacho, assinado pelo ministro da Defesa, autoriza a compra de cinco helicópteros ligeiros “com opção até mais dois”, incluindo treino, sobresselentes e material de apoio, com o preço base de 20,5 milhões de euros, através de verbas inscritas na Lei de Programação Militar.

Os novos helicópteros deverão estar aptos a garantir a instrução de pilotagem, as missões de busca e salvamento costeiro, o transporte geral e a evacuação sanitária militar.

Estes helicópteros deverão também estar equipados para poderem integrar o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais, no âmbito do apoio a missões de interesse público, nomeadamente à Autoridade Nacional de Proteção Civil.

De acordo com o documento, a que a Lusa teve acesso, os encargos com a compra das aeronaves serão distribuídos por três anos, 10 milhões de euros em 2018, sete milhões de euros em 2019 e 3,5 milhões de euros em 2020.

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários