Governo cria grupo de trabalho para preparar Web Summit até 2028

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028”.

Cristina Bernardo

Após a certificação de que a Web Summit fica em Lisboa até 2028, o Governo anuncia que criou um grupo de trabalho para se focar no evento. A criação deste grupo de trabalho foi publicada em Diário da República esta terça-feira, 15 de outubro.

No despacho publicado, o Governo destaca “a importância do empreendedorismo na estratégia global para o país, reconhecendo a relevância da missão de dinamização de um ecossistema coerente e que incentive o crescimento económico através da inovação e da criação de valores”. No ano passado, foram esperadas 70 mil pessoas no evento de quatro dias, gerando um interesse económico em Portugal.

O Governo assume ainda que a assinatura com a Web Summit “visa enriquecer o ecossistema de startups em Portugal, promover o adequado financiamento destas startups ao longo das suas diferentes fases e, também, incentivar o processo de internacionalização destas empresas”.

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028” e ainda “assegurar a articulação entre as várias entidades relevantes no sentido de propiciar o sucesso de cada edição”.

Para este grupo de trabalho foi designado um representante do primeiro-ministro, ministro dos Negócios Estrangeiros, ministro da Administração Interna, ministro adjunto e da Economia, secretário de Estado da Internacionalização, secretário de Estado da Economia e secretária de Estado do Turismo. Vai ainda ser designado um representante da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Agência para a Competitividade e Inovação (IAPMEI), Instituto do Turismo de Portugal, Câmara Municipal de Lisboa, Associação Turismo de Lisboa, Serviço de Informações e Segurança e Startup Portugal.

O mesmo despacho publicado esta terça-feira avança que os membros deste grupo não vão auferir de “qualquer remuneração ou abono pelo exercício das suas funções”. O grupo deve ainda apresentar um relatório intercalar, após o encerramento do evento, e um relatório final após o seu mandato, a 31 de março de 2029, sobre a atividade desenvolvida e os resultados alcançados em cada edição.

A edição da Web Summit 2019 começa no dia 4 de novembro e termina no dia 7 de novembro, contando com mais de 1.200 oradores.

Ler mais
Relacionadas

Procuram-se as melhores startups de base tecnológica em Lisboa. Saiba como concorrer

Esta é a primeira vez que o programa promovido pelo departamento para trocas internacionais do Reino Unido abre candidaturas europeias e as startups que tenham interesse em concorrer e receber financiamento podem apresentar as suas candidaturas até ao próximo dia 21 de outubro.

Paddy Cosgrave responde a seguidor que pensava que roubo de portáteis tinha sido em Lisboa

Três portáteis na sede da Web Summit foram roubados. Paddy Cosgrave deixou um aviso na rede social Twitter de que os dispositivos electrónicos serão encontrados e relembra aos utilizadores que o roubo aconteceu em Dublin (sede da Web Summit) e não em Lisboa.

Edward Snowden vai participar na Web Summit deste ano

A 4 de Novembro, vão se dirigir mais de 70 mil participantes que são esperados pela organização da maior conferência sobre tecnologia realizada em Portugal.

Vai à Web Summit? Pode deixar moedas e notas em casa

A SIBS e a empresa-mãe da Web Summit renovaram a parceria pelo terceiro ano consecutivo.
Recomendadas

PremiumAjustes na legislação laboral para teletrabalho

A crise de saúde pública trouxe a necessidade de novas formas e organização de trabalho, em que a imposição do teletrabalho foi a mais notória.

Seis startups e IPSS vencem prémios “Mais Ajuda”

Pixelability – Happies, Speak e The Inventors foram as empresas escolhidas. Quanto às instituições de solidariedade social, conquistaram o júri os projetos da Acreditar, Associação Portuguesa de Crianças Desaparecidas e Associação de Socorros Mútuos Mutualista Covilhanense.

Maioria das empresas portuguesas está sem modelos de ERM

Falar em “enterprise risk management” ainda é um problema para muitos gestores em Portugal. Antecipar cenários é uma ajuda ímpar porque identificam riscos e preveem impactos.
Comentários