Governo da Madeira assina acordos com sindicatos médicos. Uma das medidas é a redução das horas extraordinárias

Entre as 7h e as 8h da manhã passa a ser uma hora noturna, e, como tal, passa a ser remunerada como tal e os médicos em contrato individual de trabalho passam a ter mais três dias de férias. A consulta complementar passa a ser assegurada em regime de trabalho suplementar e apenas no âmbito de um plano de contingência ou no decurso de um período de excecionalidade.

O Governo Regional da Madeira, o Sindicato Independente dos Médicos e o Sindicato dos Médicos da Zona Sul assinaram, na passada terça-feira, dois acordos que prevêem, entre outras medidas, a redução das 200 para as 150 horas anuais de trabalho extraordinário.

“A limitação que aqui acordamos de 150 horas de trabalho extraordinário por ano é um avanço, porque significa que os médicos provavelmente trabalharão com menos probabilidade de burnout e significa que também provavelmente do ponto de vista do doente terão melhores cuidados”, afirmou o representante do Sindicato dos Médicos da Zona Sul, Hugo Esteves.

O  Acordo Coletivo de Trabalho e o Acordo de Empresa consagram ainda, na Região Autónoma da Madeira, o direito ao gozo de descanso, dentro dos oito dias seguintes, por trabalhar aos domingos, dias de feriado e dias de descanso semanal.

O secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Roque da Cunha, frisou que “há uma necessidade grande de acarinhar os médicos da Região Autónoma, particularmente, num Sistema Nacional de Saúde que tem tido bastante dificuldade em fixar os seus profissionais, e, nesse sentido, do ponto de vista do SIM é positivo o que aqui assinamos”.

Entre as 7h e as 8h da manhã passa a ser uma hora noturna, e, como tal, passa a ser remunerada como tal e os médicos em contrato individual de trabalho passam a ter mais três dias de férias. A consulta complementar passa a ser assegurada em regime de trabalho suplementar e apenas no âmbito de um plano de contingência ou no decurso de um período de excecionalidade.

Nestes acordos fica consagrado que a prestação de cuidados de saúde a utentes sem médico de família é de caráter residual, realizando-se num único período semanal previsto expressamente no horário, com duração não superior a duas horas nos casos em que o médico é responsável por uma lista de nominativa de mais de 1.500 utentes, sendo de seis horas nas situações em que a lista integra um número de utentes igual ou inferior aos 1.500.

Ler mais
Recomendadas

Madeira: Governo Regional contradiz Câmara do Funchal e diz que autarquias foram tidas em conta na elaboração do Plano de Desenvolvimento Económico e Social

“Por muito que pretenda o presidente da CMF, o PDES não é, nem vai ser, uma “boia de salvação” para tudo aquilo que este executivo do Funchal se comprometeu a fazer perante a população e que, por má gestão e ou incompetência, não foi capaz de concretizar”, sublinha a Vice-Presidência.

Madeira: Sara Cerdas defende estratégias de biodiversidade para Regiões Ultraperiféricas

Sara Cerdas sublinhou que “o contexto geográfico das RUPs permite à União Europeia dispor de maiores zonas naturais terrestres e marítimas, reconhecidas internacionalmente, que devem ser melhor protegidas e potenciadas”.

Madeira: Secretaria do Mar e Pescas pede contributos da população para Estratégia Nacional para o Mar

No âmbito das ações programadas, a Secretaria vai realizar dois eventos ligados ao mar no espaço de um ano.
Comentários