Governo da Madeira espera entregar fiscalização da obra do novo hospital em março

Os três candidatos convidados apresentaram propostas entre os 4,5 e os 4,7 milhões de euros.

O Governo da Madeira espera entregar a fiscalização da obra do novo hospital da Madeira ainda em março, avança o Diário de Notícias da Madeira.

A mesma publicação diz que os três candidatos convidados apresentaram propostas para a fiscalização da obra que variam entre os 4,5 e os 4,7 milhões de euros.

De referir que em setembro tinha sido lançado o concurso da primeira fase de escavação e contenções periféricas do novo Hospital Central da Madeira, onde foram apresentadas seis propostas: Socicorreia, Alexandre Barbosa Borges S.A., Sacyr Somague S.A., Afavias, um consórcio entre ETERMAR, Constructora San José, HCI Construções e Alves Ribeiro S.A, e outro consórcio entre Tecnovia Madeira e Teixeira Duarte, totalizando assim dez empresas de construção civil e obras públicas.

Os valores variaram entre os 18,8 e os 27,9 milhões de euros.

Em junho de 2020 o executivo madeirense tinha anunciado que o concurso para a obra do novo hospital tinha ficado vazio, e que devido a isso iria ser aberto um novo concurso.

Recomendadas

Madeira quer estar incluída no Banco de Fomento até final do mês

O vice-presidente do executivo madeirense considerou que “se há uma ajuda comunitária à constituição de um banco de fomento para servir a nível nacional, não faz qualquer sentido as regiões não estarem lá representadas”.

Madeira: CDS-PP espera que nova Lei das Finanças Regionais esteja em vigor no primeiro semestre de 2022

o PSD e o CDS-PP já apresentaram as suas propostas para uma nova Lei das Finanças Regionais. Entre elas a integração de um Fundo de Coesão Social, que compense os custos acrescidos das regiões autónomas na Educação e Saúde, e alterações na fiscalidade, que prevê que as taxas de IRS e IRC variem consoante as necessidades.

Saiba o que pode fazer para poupar água

Equipe as torneiras da sua casa com redutores e reduza o seu caudal em cerca de 50%.
Comentários