Governo da Madeira pede medidas excepcionais para salvaguardar abastecimento devido a greve nos portos

O executivo da Madeira pede ao Governo da República que garanta que as operações marítimas entre a região e o Continente sejam asseguradas, de modo a evitar “prejuízos resultantes nas falhas de abastecimento de mercadorias” à região autónoma.

O Governo da Madeira, através da vice-presidência, tem sensibilizado os ministros das Infraestrutura e da Habitação e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, para a necessidade de existirem medidas excepcionais que salvaguardam o abastecimento da região, tendo em conta as paralisações que têm existido no Porto de Lisboa e que já estão a afectar a região a nível de bens de consumo alimentar.

A vice-presidência pede aos ministros Pedro Nuno dos Santos e Ana Mendes Godinho, que garantam que as operações marítimas entre a região e o Continente sejam asseguradas, de modo a evitar “prejuízos resultantes nas falhas de abastecimento de mercadorias” à Madeira e ao Porto Santo, como os produtos frescos e perecíveis e artigos de saúde.

“Esta é uma situação que representa, não apenas prejuízos financeiros para as empresas regionais de importação e exportação, mas também o comércio, restauração e hotelaria, que ficam privados de matérias-primas, com o consequente impacto negativo que isso representa para o turismo da Madeira e do Porto Santo”, refere a vice-presidência do Governo da Madeira.

A vice-presidência refere que empresários regionais têm recorrido ao Porto de Leixões, o que representa um “agravamento substancial de custos”.

Recomendadas

APRAM recebe 4,3 milhões de euros de indemnização compensatória

A verba serve para compensar a APRAM pelas “atividades de interesse público que lhe estão confiadas” pela região, e dizem respeito a 2020.

França inicia operação de encerramento de central nuclear

França encerrou a central nuclear de Fessenhein.

Câmara do Funchal reconhece trabalho de guias turísticos do Funchal

“É graças a vós que a difusão da nossa História e Cultura, das nossas tradições e da nossa maneira de estar é exaltada, e que aqueles que nos visitam levam um pouco do Funchal pelo mundo fora”, salientou.
Comentários