Governo da Madeira proíbe algumas festas públicas no período de Natal

“Vamos concretizar as iluminações, o fogo do fim do ano vai acontecer. Algumas festividades públicas, com consumo de álcool na rua, que geram concentração de pessoas, umas em cima das outras, essas não vamos promover nem autorizar”, disse Miguel Albuquerque, no Funchal.

O Governo da Madeira não vai autorizar a realização de algumas festas no período do Natal, mas avança com as iluminações e o espetáculo pirotécnico no fim do ano nos moldes habituais, indicou esta sexta-feira o chefe do Executivo.

“Vamos concretizar as iluminações, o fogo do fim do ano vai acontecer. Algumas festividades públicas, com consumo de álcool na rua, que geram concentração de pessoas, umas em cima das outras, essas não vamos promover nem autorizar”, disse Miguel Albuquerque, no Funchal.

O presidente do Governo Regional, que falava na apresentação do Plano da Saúde para o Outono – Inverno 2020/2021, referiu-se, em especial, às designadas “noites do mercado”, que ocorrem um pouco por toda a região durante a quadra natalícia, mas sobretudo no Funchal.

“São convívios com milhares de pessoas e isso não é conveniente nem favorável às medidas [de contenção da covid-19]”, sublinhou, indicando, no entanto, que a situação pandémica na Madeira “não é comparável” à do resto do país e da Europa, pois estão registados 108 casos ativos no arquipélago, dos quais 101 foram identificados no contexto das atividades de vigilância implementadas nos aeroportos e apenas sete são de transmissão local.

Miguel Albuquerque realçou que a região tem agora “três grandes desafios” pela frente, nomeadamente prolongar no tempo a atitude de responsabilidade e de prevenção da população, reforçar o Serviço Regional de Saúde face ao provável aumento de doenças respiratórias nos meses de inverno, e manter a prioridade na salvaguarda da saúde e da vida dos cidadãos.

“O principal ativo é a confiança e vai ser mantido”, disse, reforçando: “Para isso contamos com profissionais de excelência e com planeamento, prevenção e previsão.”

Miguel Albuquerque destacou a importância do Plano da Saúde para o Outono – Inverno 2020/2021, considerando a necessidade de eventualmente se enfrentar em simultâneo vários tipos de doenças respiratórias, como a gripe e a covid-19.

“É evidente que não há planos fixos, inamovíveis. Este é um plano que tem linhas estratégicas muito importantes, mas pode ser adaptado em função da evolução das doenças e do número de contágios”, declarou.

O Plano da Saúde para o Outono – Inverno 2020/2021 foi elaborado pelo Grupo Coordenador do Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e de Resistência aos Antimicrobianos do Serviço Regional de Saúde e tem por objetivo preparar e dar resposta a um eventual crescimento pandémico da covid-19, bem como a “todas as necessidades” em saúde da população da Madeira e Porto Santo.

Ler mais
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

OE2020: Saldo da Segurança Social cai 97,5% para 62,8 milhões em setembro

O saldo da Segurança Social caiu 97,5% em setembro em termos homólogos, mas ainda assim foi positivo em 62,8 milhões de euros, revela a execução orçamental publicada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Covid-19: Parlamento confirma dois deputados infetados, um inconclusivo e quatro em isolamento

“Até ao momento, apenas foram reportados a este gabinete dois deputados que testaram positivo para a covid-19. Encontram-se bem, nas respetivas habitações, com sintomas de constipação”, refere hoje o gabinete do secretário-geral do parlamento.
Comentários