Governo de Cabo Verde espera que culpados pela morte de estudante em Bragança sejam “severamente punidos”

O ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros e Comunidades disse que acredita na justiça portuguesa.

@ Inforpress

O ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades de Cabo Verde disse este domingo que acredita na justiça portuguesa e espera que os “culpados” da morte do estudante Luís Geovani Rodrigues em Bragança sejam “ severamente punidos”.

Em comunicado de imprensa, Luís Filipe Tavares disse, no entanto, esperar que tudo seja feito com celeridade para o “esclarecimento cabal” desse caso, que classificou de um “crime bárbaro”.

“Ficamos chocados com esta morte e já pedimos, através do nosso embaixador em Lisboa, informações às autoridades portuguesas sobre as circunstâncias que levaram à morte do jovem cabo-verdiano”, lê-se no mesmo documento.

O governante acrescentou que, neste momento, a preocupação do Governo cabo-verdiano é apoiar e assistir a família do jovem, “tanto no que diz respeito à transladação do corpo para Cabo Verde como nas questões jurídicas e administrativas inerentes ao caso”.

Luís Giovani dos Santos Rodrigues, de 21 anos e natural de Mosteiros (na ilha do Fogo), morreu no dia 31 dezembro de 2019 no Hospital de Santo António, na cidade do Porto, depois de ter sido espancado alegadamente por dez indivíduos na cidade transmontana, no passado dia 21 de dezembro.

O jovem encontrava-se em Portugal desde outubro de 2019 para estudar Design de Jogos Digitais, no Instituto Politécnico de Bragança (IPB).

Embaixada de Cabo Verde quer clarificação “cabal” da morte de estudante em Bragança

Ler mais
Relacionadas

Embaixada de Cabo Verde quer clarificação “cabal” da morte de estudante em Bragança

O embaixador de Cabo Verde em Portugal, Eurico Monteiro, pediu este sábado a clarificação “cabal” das circunstâncias da morte de um estudante cabo-verdiano após ferimentos graves sofridos numa agressão em Bragança, em 21 de dezembro.
Recomendadas

Presidente de Cabo Verde diz-se “desconfortado” com aeroporto internacional sem aviões 

“Não havia aviões de maior porte, movimentação de passageiros, estrangeiros, como costumava ver quando chegava aqui ao Sal. Isso logo dá-me uma sensação de algum desconforto, de alguma tristeza”, admitiu Jorge Carlos Fonseca.

Número de mortes por Covid-19 em África sobe para 33.626

África registou mais 223 mortes 10.651 casos de infeção.

Cabo Verde: Transportes de passageiros e mercadorias admitem parar em outubro na ilha de Santiago

Os condutores reivindicam a suspensão de cobrança de senhas”, melhorias sanitárias nos parques de recolha de passageiros, entre outros, segundo o sindicato do setor.
Comentários