Governo de Costa aprovou mais eucaliptos que o Executivo anterior

Nos últimos quatro anos, foram plantados perto de 10 mil hectares de eucaliptos, uma área idêntica à de Lisboa. Do total plantado, 57% foi aprovado pelo atual Governo e 43% pelo executivo anterior.

Desde a entrada em vigor do “Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização”, em outubro de 2013, já foram plantados quase 10 mil hectares de eucalipto, uma área próxima da ocupada pela cidade de Lisboa. A denúncia é feita pela Quercus e pela Acréscimo – Associação de Promoção ao Investimento Florestal, no seguimento da análise dos dados do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

A partir dos dados divulgados, que abarcam o período que medeia entre outubro de 2013 e o final do primeiro semestre de 2017, as duas organizações calculam que o Governo anterior tenha sido responsável por um acréscimo de 43% na plantação de eucaliptos. Já o atual Governo “é responsável, só até ao final do primeiro semestre do presente ano, por 57% da expansão legal desta espécie exótica em Portugal”, afirma a Quercus em comunicado.

A organização ambientalista refere também que o Executivo liderado por António Costa “se comprometeu a travar a expansão desta espécie em Portugal (conforme consta no seu Programa, página 179)”, mas que os do ICNF demonstram que se “regista um acréscimo significativo” em relação aos licenciamentos atribuídos pelo Governo anterior.

Ao invés da revogação, o que aconteceu foi uma alteração do Decreto-lei n.º 96/2013. A Lei n.º 77/2017, de 17 de agosto, proíbe as arborizações com eucalipto em áreas superiores a 0,5 hectares, mas só vai entrar em vigor em fevereiro do próximo ano, ou seja, “haverá ainda que considerar, no aumento da área de plantações de eucalipto, as autorizações que venham a ser concedidas no 2.º semestre de 2017 e no início de 2018”, observa a Quercus, que, juntamente com a Acréscimo, se revelam “seriamente preocupadas” com uma previsível “corrida” à plantação de novos eucaliptais antes da entrada em vigor da nova legislação.

Recomendadas

Quanto é que polui uma central elétrica? Agora já é possível saber

Uma empresa de inteligência artificial, sem fins lucrativos, chamada WattTime vai usar imagens satélite para rastrear a poluição do ar (incluindo as emissões de carbono) provocada por todas as centrais de energia do mundo e em tempo real.

Poluição do ar causa danos da cabeça aos pés. Crianças são as mais vulneráveis

Uma nova análise abrangente da poluição do ar encontrou danos da cabeça aos pés, incluindo demência, doenças cardíacas e pulmonares, problemas de fertilidade e redução da inteligência.

Quercus: Atingir as metas da reciclagem “é uma tarefa quase impossível”

Quercus pede “mais e melhor educação e informação” e apela aos candidatos das eleições europeias para integrarem as preocupações com a reciclagem, separação do lixo nos programas eleitorais.
Comentários