Governo de Costa já fez 3.282 nomeações em três anos e meio

O Governo efetuou 3.282 nomeações, com 2.342 para os ministérios e 940 para altos cargos na administração pública.

Carlos Barroso / Lusa

O Governo de António Costa assumiu funções há três anos e meio, e desde então já procedeu a 3.282 nomeações, noticia o jornal ‘Correio da Manhã’ esta sexta-feira. Destas nomeações, 2.342 foram para gabinetes ministeriais e 940 para altos cargos da administração pública.

De acordo com o jornal, o Governo de Costa nomeou cerca de duas pessoas por dia (1,9), um número superior ao Governo de Pedro Passos Coelho, que apresentou uma média de 1,45 nomeações por dia, e o de José Sócrates, que apresentou 1,48.

O próprio gabinete de António Costa contabilizou, até à passada terça-feira, 23 de abril, 101 nomeações. Já o Ministério da Saúde, liderado por Marta Temido, totalizou 104. O Ministério da Educação de Tiago Brandão Rodrigues contou ainda com 131 nomeações.

Por sua vez, o Ministério da Justiça teve 75 nomeações, enquanto a Administração Interna contou com 146, quase o dobro da Justiça. O Ministério do Mar, de Ana Paula Vitorino, contabilizou 78 nomeações e o Ministério da Agricultura com 81.

O Ministério liderado por João Gomes Cravinho totalizou 113 nomeações desde 26 de novembro de 2015. O Ministério do Ambiente e da Transição Energética, de Matos Fernandes e João Galamba, atingiu o maior número de nomeações, com um total de 295. A pasta das Finanças de Mário Centeno também conta com um elevado número de nomeações, estando em segundo lugar. com 228.

O novo Ministério das Infraestruturas e Habitação, tutelado por Pedro Nuno Santos, que já tinha sido secretário dos Assuntos Parlamentares, contabilizou 71 nomeações. O Ministério do Planeamento, que desagregou das Infraestruturas, contou com apenas 25 nomeações, ficando em último lugar nesta corrida.

Ler mais
Recomendadas

Bancos dão ordem para executar totalidade da Coleção Berardo

CGD, BCP e Novo Banco deram à execução penhores sobre 100% dos títulos de participação dados como garantia de créditos de mais de 900 milhões.

Só com o PS é possível manter o equilíbrio na governação – António Costa

De acordo com o primeiro-ministro, nos últimos três anos e meio, os compromissos assumidos “foram cumpridos, porque palavra dada tem sido sempre palavra honrada”.

Paulo Rangel pede voto bem cedo para impedir “legitimação” de Costa

Segundo Rangel, o que António Costa procura nas eleições europeias é tentar “um plebiscito à moda napoleónica ou cesarista” para conseguir a sua “legitimação” a nível nacional já que, disse, até hoje o primeiro-ministro “nunca foi capaz de ganhar uma eleição”.
Comentários