Governo de Trump diz que compete aos “decisores políticos em Portugal” avaliar se investimento chinês na REN é “uma ameaça” para a segurança das infraestruturas

O maior acionista da REN é a estatal chinesa State Grid com 25% do capital.

Dan Brouillette, secretário da Energia dos EUA, na visita à central de Sines | Cristina Bernardo

O Governo norte-americano disse hoje que compete aos decisores políticos em Portugal avaliar se o investimento chinês na Redes Energéticas Nacionais (REN) é uma “ameaça” para as infraestruturas energéticas nacionais.

Num encontro com jornalistas em Lisboa, durante a sua visita a Portugal, o Secretário da Energia norte-americano foi questionado se considerava que o facto da REN ter um acionista maioritário chinês era um risco para a segurança das infraestruturas energéticas nacionais, e se, neste cenário, as empresas norte-americanas deviam investir na REN. Em resposta, Dan Brouillette defendeu um maior escrutínio sobre o investimento chinês na REN pelas autoridades portuguesas.

“Vou deixar isso para os decisores políticos em Portugal, se isso representa ou não uma ameaça para a infraestrutura em Portugal”, disse Dan Brouillette esta quinta-feira.

“Vou limitar os meus comentários às ameaças potenciais para as infraestruturas vitais dos Estados Unidos, ao ponto de, se representarem ameaças, vamos tratar delas muito diretamente”, afirmou.

O maior acionista da REN é a estatal chinesa State Grid com 25% do capital. Segue-se a Oman Oil, de Omã, com 12%, a Lazard Asset Management (7%), a portuguesa Fidelidade (5,3%), os espanhóis da Red Elétrica (5%), e os norte-americanos do Capital Group (3,7%).

A REN detém o terminal de gás natural liquefeito (GNL) de Sines, que o governante norte-americano visitou na quarta-feira. A companhia também detém as concessões das redes de transporte de eletricidade e de gás natural, assim como investimentos no Chile, América do Sul.

Já em relação à EDP, Dan Brouillette defendeu que as empresas norte-americanas devem investir na companhia, e que a presença chinesa na empresa pode vir a ser um “problema” para a EDP Renováveis nos Estados Unidos.

Na sua resposta, o norte-americano também apontou os riscos que a China representa para a rede de eletricidade norte-americana.

“Em relação ao investimento chinês na EDP, representa alguns desafios para nós nos Estados Unidos, porque a abordagem dos chineses, vou usar uma palavra dura, é literalmente roubar propriedade intelectual. Sabemos isso como nação, outras nações sabem isso, e nas minhas conversas aqui em Portugal é um facto largamente reconhecido, os chineses têm sido muito agressivos no roubo de propriedade intelectual, ao ponto de isto representar um risco para a rede de eletricidade norte-americana, ou um risco para a nossa defesa nacional. Vamos tratar destes assuntos de forma muito agressiva e muito dura”, declarou o Secretário da Energia norte-americano.

Governo de Trump gostava de ver mais capital dos EUA na EDP. Investimento chinês pode vir a ser um “problema” para EDPR nos EUA

Ler mais
Relacionadas

Governo de Trump gostava de ver mais capital dos EUA na EDP. Investimento chinês pode vir a ser um “problema” para EDPR nos EUA

Um dos principais membros do Governo de Donald Trump defende que mais empresas norte-americanas devem investir na EDP. O maior acionista da companhia atualmente é uma empresa estatal chinesa. Apesar de a OPA da CTG ter falhado, Dan Brouillette disse que a presença chinesa na EDP vai ser avaliada “muito diretamente”.
Recomendadas

Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.

Executivo ultima propostas para apoiar os media, mas falta consenso no setor

Media vão receber apoios estatais para enfrentar crise gerada pela pandemia da Covid-19. Governo anuncia apoios “em breve”.

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

A edição digital do Jornal Económico vai estar disponível gratuitamente durante as próximas semanas, devido à situação de emergência nacional causada pela epidemia de Covid-19. Desta forma, todos os leitores continuarão a ter acesso ao Jornal Económico.
Comentários