Governo diz que queda da economia está em linha com parceiros comerciais e vê “sinais de uma recuperação progressiva”

Executivo enquadra queda do PIB português no cenário de crise global provocada pela pandemia e sustenta que os indicadores económicos apresentam já “sinais de uma recuperação progressiva”, defendendo que o crescimento dos último anos preparou o país.

joão_leão_tomada_posse_1
Tiago Petinga/Lusa (Pool)

O Governo desdramatiza a queda histórica de 16,5% do PIB português em termos homólogos, salientando que está em linha com a dos principais parceiros económicos, num cenário de recessão a nível mundial devido à pandemia, e que reflete os efeitos provocados pelo Estado de emergência. Revelando alguns traços de optimismo, diz que os indicadores económicos apresentam já “sinais de uma recuperação progressiva”, defendendo que o crescimento dos último anos preparou o país.

“Note-se que a contração muito acentuada da economia no segundo trimestre se está verificar em todo o mundo e está em linha com a queda verificada nos nossos principais parceiros económicos como Espanha (22,1%), França (19%) e Itália (17,3%)”, refere o ministério das Finanças, em comunicado divulgado esta sexta-feira, após a divulgação dos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

A primeira estimativa do INE revela que a economia portuguesa encolheu 16,5% no segundo trimestre, face ao período homólogo, naquela que é a maior contração da série histórica da instituição, tendo em cadeia caído 14,1%. Entre os 10 países da União Europeia que já revelaram dados, Portugal ocupa o quarto lugar da tabela entre as maiores quedas no segundo trimestre face a igual período do ano passado.

“Esta redução muito acentuada do PIB no segundo trimestre reflete o impacto provocado pela pandemia de Covid-19 e está associada ao período de maior recolhimento do estado de emergência, que vigorou entre 18 de março e 2 de maio, e das restantes medidas de proteção sanitária implementadas e consequente queda da atividade económica”, justifica o gabinete de João Leão.

O Executivo sustenta que “nas últimas semanas, findo o estado de emergência, os indicadores económicos de alta frequência apresentam já sinais de uma recuperação progressiva da atividade económica”, apontando como exemplo que as compras com recurso a cartão multibanco tiveram “uma recuperação significativa”, tendo registado uma variação homóloga positiva de 1% na segunda semana de julho, “depois de terem chegado a registar quedas homólogas superiores a 30% no mês de abril”.

Aponta ainda como exemplo p consumo de eletricidade empresarial, que mostrou sinais de recuperação em junho, com um crescimento de 7,9% face a maio.

“O Governo introduziu um conjunto de medidas de cariz excecional para reduzir a incerteza associada a este período, nomeadamente através do Programa de Estabilização Económica e Social, com o objetivo de proteger o emprego e o rendimento das famílias, por um lado, e permitir a continuidade da atividade das empresas, por outro”, vinca, acrescentando que “esta situação extraordinária interrompe um prolongado período de crescimento económico”.

Para as Finanças, “o caminho percorrido nos últimos anos permitiu a Portugal estar hoje mais bem preparado para responder ao desafio desta crise global causada pela pandemia”.

Ler mais

Relacionadas

Portugal entra em recessão técnica. Economia tomba 16,5% no segundo trimestre

A pandemia penalizou a economia especialmente os meses entre abril e junho, numa contração histórica. Analistas e governos antecipam que a queda do segundo trimestre será a mais forte este ano.

Duo ibérico em foco: só Espanha teve recessão mais severa do que Portugal

Entre os 10 países que já revelaram dados, apenas Espanha ultrapassou a dimensão do tombo do PIB português entre abril e junho, ao recuar 18,5%, enquanto Portugal caiu 14,1% face ao último trimestre. Contração está acima da média da zona euro e da União Europeia.

Maior queda desde 1995. PIB na zona euro tomba 12,1% no segundo trimestre

As estimativas do Eurostat informam que esta é a maior queda do PIB desde 1995. Olhando para o mapa europeu, Espanha ocupa o pódio com uma contração de 18,5% no segundo trimestre, seguindo-se Portugal, com uma recessão de 14,1%.
Recomendadas

Comissão Europeia avalia descontinuação das moedas de um e dois cêntimos em 2021

Essa decisão será tomada até final de 2021. O Executivo comunitário vai, então, agora analisar os “impactos económicos, ambientais e sociais da introdução de regras uniformes de arredondamento”, verificando ainda os “critérios de custo e aceitabilidade pública” da descontinuação das moedas de valor menor (um e dois cêntimos).

Barómetro do emprego na Alemanha ganha impulso em setembro

“A economia está em recuperação e essa evolução reflete-se cada vez mais no emprego. Na indústria, o barómetro Ifo continuou a sua tendência ascendente”, refere o instituto com sede em Munique.

BdP destruiu cerca de 2 milhões de notas de 500 euros no âmbito da retirada de circulação

Desde o dia 28 de janeiro de 2019 que “todas as notas desta denominação que regressam ao Banco de Portugal são destruídas”, referiu ao jornal o banco central.
Comentários