PremiumGoverno ‘esquece-se’ de aprovar contas da CP desde 2015

Desde 2014 que o Governo de António Costa optou por não aprovar as contas da transportadora ferroviária nacional, seja pela tutela das Finanças, seja pela tutela do Planeamento e das Infraestruturas.

É algo inédito na história do setor empresarial do Estado em Portugal. A CP, transportadora ferroviária nacional, de capital 100% público, está há quatro anos sem aprovação das respetivas contas por parte do Governo de António Costa. Desde que está em funções, este Executivo, designado ‘geringonça’ devido ao acordo de incidência parlamentar com o PCP, o PEV – Partido Ecologista ‘Os Verdes’ e Bloco de Esquerda, nunca deu ‘luz verde’ às contas apresentadas pela transportadora ferroviária nacional, fosse no tempo de Manuel Queiró, fosse no mandato do atual presidente da CP, Carlos Gomes Nogueira. Até ao fecho desta edição, foi impossível obter algum esclarecimento sobre esta matéria junto do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, liderado por Pedro Nuno Santos.

A falta de aprovação das contas por parte do atual governo socialista é dupla, ou seja, contou com a omissão a esse respeito por parte da tutela setorial, representada pelo Ministério do Planeamento e das Infraestruturas – liderado até há cerca de dois meses por Pedro Marques, entretanto substituído por Pedro Nuno Santos -, assim como com a ausência de opinião e de decisão em consonância da responsabilidade da tutela do Ministério das Finanças, liderado por Mário Centeno.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

CGD: rendimento líquido com comissões e serviços aumentou 13% entre 2015 e 2018

Segundo o Relatório e Contas da CGD de 2015, os rendimentos do banco público com serviços e comissões atingiram os 440,2 milhões de euros, ao passo que os encargos atingiram os 92,7 milhões, resultando num rendimento líquido de 347,5 milhões de euros.

Turismo do Algarve continuou a crescer em agosto

As receitas do turismo algarvio atingiram 904,2 milhões de euros acumulados desde janeiro de 2019, um valor equivalente a 41,6% do total dos proveitos arrecadados pelo todo nacional.

Administradora da Sonae eleita pelo WBCSD na categoria de excelência

Os Leading Women Awards do WBCSD têm como objetivo, segundo a organização, reconhecer as lideranças femininas que mais contribuem para os objetivos de desenvolvimento sustentável entre as 200 empresas associadas.
Comentários