Governo garante que já tomou medidas para mitigar efeitos da seca

O anúncio surge depois de o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa, ter vindo pedir ao Governo um plano nacional de emergência, temendo os “efeitos catastróficos” da seca.

O Ministério da Agricultura assegura que já tomou medidas para mitigar os efeitos da seca extrema e apoiar os agricultores. O anúncio surge depois de o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa, ter vindo pedir ao Governo um plano nacional de emergência, temendo os “efeitos catastróficos” da seca.

Em declarações ao Jornal Económico, o Ministério da Agricultura explica que “o Governo já tinha colocado em vigor um plano de emergência por causa do problema da seca extrema na sexta-feira”. “As declarações do presidente da CAP, a exigir um plano de emergência da parte do Governo, surgem cinco dias depois de termos adotado de medidas excecionais para mitigar os efeitos da seca e apoiar os agricultores”, afirma fonte do Ministério.

Entre as medidas tomadas pelo Governo está a criação de um Plano Nacional de Regadios que se prevê que vá criar 90 mil hectares de novos regadios até 2021. “Trata-se de uma medida de fundo, a que corresponde um investimento total no montante de 534 milhões de euros, dos quais 150 milhões estão já em execução, tal como o Ministro da Agricultura tem vindo a anunciar”, explica.

Além disso, o Ministério da Agricultura decidiu isentar de penalizações os agricultores que, na campanha deste ano, devido aos previsíveis efeitos da seca e dos incêndios sobre a atividade agrícola. Ao mesmo tempo, o ministro Luís Capoulas dos Santos decidiu isentar de penalizações os agricultores que tenham visto o seu efetivo animal reduzido, na sequência da seca e dos estragos provocados pelos incêndios.

A tutela está a trabalhar também com a Comissão Europeia para permitir aos agricultores utilizarem as áreas interditas no âmbito do greening para pastoreio, “tendo em vista a minimização da escassez de alimentação animal, sem que sejam prejudicados nos apoios diretos” e ter acesso a uma série de concursos para investimentos específicos de captação, distribuição e armazenamento de água.

“O Governo dispõe de um Plano de Prevenção, Monitorização e Contingência para Situações de Seca, aprovado pela Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca, além de ter criado uma comissão específica para o setor agrícola, envolvendo os representantes dos agricultores, por forma a antecipar soluções para os problemas à medida que a situação evolui”, acrescenta o Ministério da Agricultura.

Sobre as previsões agrícolas reveladas esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que antecipam uma redução da área de cultivo de cereais de inverno para um mínimo histórico dos últimos 100 anos, o Ministério nota que 95% dos cereais consumidos em Portugal são importados, sendo que a produção nacional representa apenas uma ínfima percentagem do total consumido.

O presidente da Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares do Norte (AIPAN), António Duarte Fontes, diz que a indústria da panificação está a acompanha a situação com “preocupação”, apesar de grande parte dos cereais serem importados de outros países da Europa, como a Alemanha e a França. “Por enquanto, é pouco previsível um novo aumento do preço do pão”, afirma. No início do ano, o preço do pão subiu 20%, devido à subida do preço dos combustíveis e eletricidade e à atualização do salário mínimo nacional.

Ler mais

Relacionadas

CAP pede medidas extraordinárias para combater a seca

As previsões agrícolas divulgadas esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) apontam para que a área destinada aos cereais de outono/inverno seja a menor dos últimos 100 anos.

CNA diz que previsão negativa para campanha de cereais é “muito grave” e “não surpreende”

Segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a campanha de cereais vai ter em 2018, pelo quinto ano consecutivo, uma diminuição de área instalada, prevendo-se que seja “a pior dos últimos 100 anos”.

Seca reduz área de cultivo de cereais de inverno a mínimos de 100 anos

Nos últimos quatro anos, a quebra registada na área instalada com cereais de inverno (trigo mole, trigo duro, triticale, centeio, cevada e aveia) foi reduzida em 26,5%.
Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.
Comentários