Governo italiano injeta três mil milhões de euros na Alitalia

Sob controlo do estado, a companhia aérea ” irá concentrar-se fortemente em rotas de longo curso e também com novas alianças transatlânticas”, referiu o ministro italiano da Indústria Stefano Patuanelli.

O Governo italiano vai injetar, pelo menos, três mil milhões de euros na companhia aérea Alitalia, que está num processo de nacionalização depois de vários problemas financeiros que se agravaram com a pandemia da Covid-19, informa a agência “Reuters” esta quinta-feira, 7 de maio.

A Alitalia passou os últimos 11 anos sob gestão privada e falhou três tentativas de reestruturação, a que se juntaram problemas financeiros que foram exponenciados pela crise do coronavírus que devastou o setor aéreo de forma global.

Sob controlo do estado, a companhia aérea ” irá concentrar-se fortemente em rotas de longo curso e também com novas alianças transatlânticas”, referiu o ministro da Indústria Stefano Patuanelli durante uma intervenção no Parlamento italiano.

O ministro da Indústria acrescentou também que o Governo fará todos os possíveis para proteger os níveis atuais de emprego na companhia aérea italiana.

Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários