Governo: Médicos lamentam continuação de Marta Temido e de Mário Centeno

O bastonário da Ordem dos Médicos entende que o primeiro-ministro “não está a saber aproveitar a nova oportunidade que os portugueses lhe deram” ao manter os mesmos ministros da Saúde e das Finanças.

Em declarações à agência Lusa, o bastonário dos Médicos, Miguel Guimarães, nota que António Costa “manteve os dois principais responsáveis pelo estado da saúde em Portugal”, os ministros das Finanças, Mário Centeno, e da Saúde, Marta Temido.

“Não sei se esta escolha do primeiro-ministro é para ter um Serviço Nacional de Saúde mais forte ou para continuar a ser as Finanças a dominar sobre a saúde dos portugueses. Creio que é a segunda hipótese”, afirmou Miguel Guimarães.

Para o bastonário dos Médicos, a atual ministra, que continua no cargo, “nada fez de significativo” pela saúde em Portugal.

Miguel Guimarães aproveitou para recordar um artigo da revista científica Lancet que refere que a saúde em Portugal precisa de “uma nova oportunidade”.

Marta Temido continuará como ministra da Saúde no novo Governo, depois de em outubro do ano passado ter substituído no cargo Adalberto Campos Fernandes, num ano em que a agitação no setor não diminuiu.

A ministra tinha tomado posse no anterior Governo faz hoje precisamente um ano.

Ler mais
Relacionadas

Costa bate recordes. Maior executivo em ministérios desde 1976 e com número recorde de ministras

A primeira composição do XXI Governo de António Costa, que tomou posse em 26 de novembro de 2015, integrava 17 ministros, além do primeiro-ministro, o que já o tornava um dos maiores dos vinte Governos Constitucionais desde 1976, que tiveram em média 16 ministérios.

Tomada de posse do novo Governo a 21 ou 22 de outubro

O primeiro-ministro sublinhou, mais uma vez, que estamos perante um novo Governo, “mas, agora, em melhores condições, reforçado politicamente”, embora numa lógica de continuidade

António Costa apresenta Governo com poucas alterações e quatro ministros de Estado

Mário Centeno, Pedro Siza Vieira, Augusto Santos Silva e Mariana Vieira da Silva são ministros de Estado. Alexandra Leitão, Ana Mendes Godinho, Ana Abrunhosa, Maria do Céu Albuquerque e Ricardo Serrão Santos passam a ser ministros, enquanto Vieira da Silva, Capoulas Santos e Ana Paula Vitorino deixam o Governo.
Recomendadas

“Não garanto que vá haver aumento de 1% em 2021”, diz ministra da Administração Pública

Porém, Alexandra Leitão garante que o congelamento de progressões da função pública “não está em cima da mesa”.

CDS-PP conta debater plano de recuperação com “Costa e Siza” e “não com Costa Silva”

Os democratas-cristãos salientam que, há três meses, “o CDS sugeriu ao Governo a criação de um gabinete de crise para relançar social e economicamente o país, que integrasse representantes de vários setores fundamentais e todos os partidos com assento parlamentar”.

Jerónimo de Sousa: “Caiu por terra a teoria de que estamos todos no mesmo barco”

O secretário-geral do PCP diz que “a ilusão de que vai tudo ficar bem” “caiu por terra” com a pandemia e o encerramento de unidades educativas e critica “a medida do Governo de levar os estudantes do ensino profissional a terem de realizar uma autêntica volta pelo país para fazerem exames para os quais não foram preparados, para concorrer a meia dúzia de vagas”.
Comentários