Governo não vai obrigar a englobamento de rendas no IRS

“O Governo não está a estudar ou a preparar para este Orçamento do Estado o englobamento de rendimentos prediais nem de juros de depósito”, disse fonte do Executivo ao “Observador”.

Cristina Bernardo

O Governo não está a ponderar tornar obrigatório o englobamento no IRS os rendimentos prediais e de juros de depósitos a prazo, mantendo-os opcionais como até aqui, noticia o “Observador”.

“O Governo não está a estudar ou a preparar para este Orçamento do Estado o englobamento de rendimentos prediais nem de juros de depósito”, disse fonte do Executivo à publicação.

O líder do PSD reagiu à notícia ontem à tarde, notando que “acabar com a taxa liberatória de 28% do IRS, significa que quem tem casas alugadas ou poupanças no banco, vai pagar mais impostos; vai ver a rendibilidade das suas poupanças ainda mais reduzidas”. Rui Rio atacou ainda a geringonça, uma vez que estas negociações estão ser ser realizadas com a esquerda.

Atualmente, por ser opcional, os cidadãos podem escolher que estes rendimentos sejam tributados separadamente com a taxa de 28% ou integrados nos rendimentos de trabalho, aos quais são aplicadas as taxas gerais de IRS consoante o escalão de rendimentos.

Recomendadas

Autárquicas: Rosário Farmhouse (PS/Livre) eleita presidente da Assembleia Municipal de Lisboa

A cabeça de lista da coligação “Mais Lisboa” (PS/Livre) à Assembleia Municipal de Lisboa, Rosário Farmhouse, foi esta segunda-feira eleita presidente deste órgão deliberativo do município da capital e comprometeu-se a promover o diálogo sobre o futuro da cidade.

Carlos Moedas toma posse e garante compromissos sem contrariar “princípios fundamentais” do seu programa

O novo autarca da capital coloca como prioridades o apoio aos jovens e aos mais idosos, bem como a habitação e a mobilidade, e lembrou que tem ampla experiência na busca de acordos de compromisso com as mais variadas forças políticas.

OE2022. Prazo para comunicação de faturas passa para dia 5 do mês seguinte ao da emissão

O prazo para as empresas remeterem à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) as faturas vai passar do dia 12 para o dia 5 do mês seguinte ao da emissão, segundo a proposta do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).
Comentários