Governo português reconhece Juan Guaidó mas presidente interino terá de convocar eleições

Portugal juntou-se aos vários países europeus que já reconheceram Juan Guaidó como presidente interino. Governo português considera que esta decisão é a que melhor defende os “interesses da vasta comunidade luso-venezuelana”,

O Governo português reconheceu oficialmente Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela esta segunda-feira, juntando-se assim a vários países europeus.

“Portugal reconhecerá e apoiará a legitimidade do presidente da Assembleia nacional, Juan Guaido, como presidente interino nos termos constitucionais, com o encargo de convocar e preparar eleições presidenciais livres, inclusivas e justas”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, esta segunda-feira.

O Governo considera que a decisão de apoiar Juan Guaidó serve os interesses dos lusos-venezuelanos que vivem neste país sul-americano. “Esta decisão é aquela que o Governo Português entende melhor defender os interesses da vasta comunidade luso-venezuelana, que fez da Venezuela o
seu lar e que comunga profundamente dos anseios do país que também é seu”, segundo um comunicado divulgado pelo ministério dos Negócios Estrangeiros esta segunda-feira.

Portugal  considera que o Juan Guaidó “possui a necessária legitimidade para assegurar uma transição pacífica, inclusiva e democrática, que permitirá evitar uma escalada da violência no país e restituir aos venezuelanos o poder de decidir livremente o seu destino, com vista a conduzir o seu País a um caminho de paz e prosperidade”.

Vários países europeus, como Espanha, França, Alemanha ou o Reino Unido, anunciaram hoje o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Este reconhecimento aconteceu depois da União Europeia ter lançado um ultimato ao Governo de Nicolás Maduro para convocar eleições antecipadas. Perante a recusa de Maduro, vários países avançaram hoje para o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente interino.

 

Espanha, França, Reino Unido e Suécia reconhecem Guaidó como presidente interino da Venezuela

Ler mais

Relacionadas

Espanha, França, Reino Unido e Suécia reconhecem Guaidó como presidente interino da Venezuela

Os quatro países anunciaram a sua posição depois de Nicolás Maduro ter recusado o ultimato europeu. Findo o prazo dado pela União Europeia para a marcação de eleições presidenciais, estes governos avançaram com o apoio ao seu principal adversário. Augusto Santos Silva irá “explicar a posição portuguesa de reconhecimento de Juan Guaidó como presidente encarregado de convocar eleições livres e justas na Venezuela” ainda esta segunda-feira.

Trump admite intervenção militar na Venezuela. Maduro diz que EUA querem uma repetição da guerra do Vietname

A administração norte-americana está a aumentar a pressão sobre Nicolás Maduro. O presidente venezuelano rejeita o ultimato dos países europeus para que sejam convocadas eleições antecipadas.
Recomendadas

Agricultura de precisão é o caminho de futuro

Sensores de rega gota a gota, utilização de GPS, crescente informatização dos processos produtivos e de logística são as tendências do setor da agricultura em Portugal. Conheça os desafios e os projetos.

Goldman Sachs prevê contração da economia norte-americana em 4,6% este ano

Os economistas do banco reviram em baixa as estimativas para a evolução do PIB dos Estados Unidos. No entanto, melhoraram as previsões para a taxa de desemprego.

CFP afasta cenário de recuperação económica rápida

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ‘Jornal de Negócios’, Nazaré da Costa Cabral voltou ainda a falar sobre o Orçamento Suplementar:“Há aqui uma perspetiva de subestimação da queda do produto e de certas das suas componentes que podem comprometer a cobrança de receita fiscal”.
Comentários