Governo quer renegociar caudais do Rio Tejo com Espanha

Em causa está a instabilidade registada nos caudais do Rio Tejo e o objetivo seria que uma maior regularidade no envio de água para Portugal, já que a soma dos valores mínimos anuais diários registados na Convenção não atingem o mínimo anual que Espanha deve libertar.

O Governo quer pedir um “aprofundamento” de um anexo da Convenção de Albufeira a Espanha sobre os mínimos de água que o país vizinho de enviar para Portugal, noticia o jornal “Público”, este sábado.

Em declarações ao matutino, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, considerou que será necessário alterar não apenas os mínimos diários de água que Espanha tem de enviar para Portugal, mas também nos valores semanais e trimestrais.

Em causa está a instabilidade registada nos caudais do Rio Tejo e o objetivo seria que uma maior regularidade no envio de água para Portugal, já que a soma dos valores mínimos anuais diários registados na Convenção não atingem o mínimo anual que Espanha deve libertar.

“Para garantir a regularidade dos caudais, não basta falar dos mínimos da semana ou do dia – é preciso que os mínimos do trimestre cresçam”, disse o ministro da tutela.

Recomendadas

Bruxelas garante “regras rigorosas” nas PPP em defesa de valores europeus

“Estamos a implementar regras rigorosas da UE, em total concordância com os valores da UE. Também estamos a tomar decisões de financiamento, consultando vários ‘stakeholders’ [partes interessadas], sempre colocando no topo da prioridade as necessidades de saúde e ambientais dos cidadãos”, disse à Lusa fonte oficial da CE.

PremiumPedro Moura: “Plataforma de gestão das florestas dá para relançar a economia”

Ex-CEO da Portucel Moçambique e especialista em gestão florestal, Pedro Moura diz que a produção eficiente de 70% do território permitiria criar muitos empregos no interior de Portugal e produzir biomassa para centrais elétricas 100% renováveis.

Portugal teve “evolução positiva” na maioria dos objetivos sustentáveis da ONU desde 2010

O INE esclarece que o balanço apresentado esta sexta-feira não tem ainda em conta a crise pandémica, pelo que os números deverão alterar-se “substancialmente”.
Comentários