Governo com excedente de 1.301 milhões de euros até fevereiro

Administrações Públicas registaram um excedente orçamental de 1.301 milhões de euros até fevereiro, o que representa uma melhoria de 1.032 milhões de euros face a 2018. Receita aumentou 10,7%.

As Administrações Públicas (AP) registaram um excedente orçamental de 1.301 milhões de euros até fevereiro, o que representa uma melhoria de 1.032 milhões de euros face a 2018, segundo o Ministério das Finanças. A explicar este cenário está um crescimento da receita de 10,7%, enquanto a despesa aumentou 2,7%.

Os dados sobre a execução orçamental até fevereiro são divulgados um dia depois do Instituto Nacional de Estatística ter anunciado que o défice do ano passado se fixou em 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Para este ano, o Governo está a trabalhar com uma meta de 0,2%.

No entanto, as Finanças realçam que a execução dos dois primeiros meses do ano é influenciado por efeitos que afetam a comparabilidade com 2018, ainda que sem impacto na ótica das contas nacionais, dos quais destaca: o alargamento a janeiro de 2019 do prazo de pagamento de impostos nas tesourarias de finanças, com impacto positivo na receita  – que representou 291 milhões de euros, assim como o pagamento em 2018 de juros de swaps, o que implica uma redução em termos homólogos, de 306 milhões de euros.

O crescimento da receita até fevereiro é realçado pelo ministério liderado por Mário Centeno, em antecipação aos dados que serão divulgados esta quarta-feira à tarde pela Direção Geral do Orçamento (DGO). Segundo o comunicado das Finanças a receita fiscal cresceu 13,7%, à boleia da performance da economia e pelo alargamento do prazo de pagamento de impostos, como o ISP e o Imposto do Tabaco.

“Apesar da redução de impostos, pelo efeito da reforma do IRS e a revisão em baixa de várias taxas de IVA, a receita do IVA aumentou 17,6%, a do IRS 7,0% e a do IRC 33,1%”, explica. Já as receitas de contribuições para a Segurança Social aumentaram 8,3% e mantiveram “a trajetória de forte crescimento dos anos anteriores”, que foi em 2017 de 6,3% e em 2018 de 7,6%, em resultado do significativo aumento do emprego.

“A evolução da receita destes impostos e contribuições sociais ocorre apesar das reduções de taxas de imposto introduzidas pela reforma do IRS, que baixou o imposto para a generalidade dos contribuintes, e das taxas nos restantes impostos e contribuições não terem sofrido alterações. O dinamismo da economia e do mercado de trabalho, que manteve uma aceleração ao longo de 2018, dá indicações de continuar nos primeiros meses de 2019”, explica.

De acordo com as Finanças, a despesa primária cresceu 5,2%, em virtude do forte aumento da despesa do Sistema Nacional de Saúde, em parte relacionada com a regularização de dívidas de anos anteriores.

Já a despesa com salários cresceu 4,8%, refletindo o descongelamento das carreiras. As Finanças destacam nomeadamente os crescimentos na despesa com professores (4,7%) e profissionais de saúde (5,3%). Realça ainda que a evolução da despesa é também explicada pelo crescimento das prestações sociais (5,2%), destacando-se o forte aumento da despesa com o subsídio por doença (17,6%) e da prestação social para a inclusão (36%).

Por outro lado, a despesa com pensões da Segurança Social cresceu 4,7% e com as pensões da CGA cresceu 1,2%, em termos comparáveis, “refletindo o facto de a grande maioria dos pensionistas ter aumentos superiores à inflação e do aumento extraordinário de pensões em 2019 ter ocorrido logo no início do ano”.

(Atualizada às 17h22)

Ler mais
Relacionadas

Mário Centeno: “A economia está a comportar-se muito melhor do que no trimestre anterior”

Ministro das Finanças disse que bons indicadores no primeiro trimestre contrabalançam “momentos de grande incerteza” na economia mundial.

“Esta é uma conquista desta legislatura”, diz Mário Centeno sobre défice histórico

Ministro das Finanças reagiu à divulgação dos dados relativos ao défice do ano passado. O valor fixou-se abaixo da meta do Governo de 0,7%. “Nos últimos três anos, Portugal conseguiu ganhar um estatuto de credibilidade que nunca antes tinha atingido. Mostrámos à Europa que havia uma alternativa”, disse Centeno.

Défice ficou em 0,5% em 2018, o mais baixo de sempre em democracia

Défice orçamental fixou-se em 0,5% do PIB em 2018, 0,2 pontos percentuais abaixo da meta do Governo. Confirmação chegou esta terça-feira, com a primeira notificação de 2019 relativa ao procedimento por défice excessivo, que o INE enviou ao Eurostat.
Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários