Governo reúne com produtores, retalhistas e transportadores para evitar rutura de ‘stocks’

Os ministros da Economia e da Agricultura estão reunidos com mais de uma dezena de associações produtores alimentares, de cadeias de distribuição e de transportadores para encontrar formas de evitar ruturas de ‘stocks’ aos consumiodores.

Está a decorrer a 6ª reunião dos responsáveis do Ministério da Agricultura e do Ministério da Economia com o Grupo de Acompanhamento e Avaliação das condições de Abastecimento e do Retalho em Portugal no âmbito do surto do coronavírus.

Pedro Siza Vieira, ministro do Estado e da Economia e da Transição Digital, e Maria do Céu Albuquerque, ministra da Agricultura, participam neste encontro.

Estes ministros estão a ser acompanhados pelo secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres.

Os governantes vão intervir, a partir do Salão Nobre do Ministério da Economia, numa reunião que decorrerá com os restantes participantes, através de videoconferência.

“Este Grupo de Trabalho tem avaliado e acompanhado as condições de abastecimento de bens nos sectores agroalimentar e do retalho, em estreita articulação e coordenação entre os setores público e privado, o que permite afirmar que, até ao momento, não se verifica qualquer risco de rutura de ‘stocks’ no país”, assinala um comunicado do Ministério da Agricultura.

Integram este grupo de acompanhamento a DGAE – Direção-Geral das Atividades Económicas; ASAE – Autoridade de Segurança Alimentar e Económica; GPP – Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral da Agricultura; DGAV – Direção-Geral de Alimentação e Veterinária; ADIPA – Associação dos Distribuidores de Produtos Alimentares; ANTP – Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas; ANTRAM – Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias; APED – Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição; Casa do Azeite – Associação do Azeite de Portugal; FIPA – Federação das Indústrias Portuguesas Agroalimentares; FENALAC – Federação Nacional das Cooperativas de Produtores de Leite; FNOP – Federação Nacional das Organizações de Produtores de Frutas e Hortícolas; FEPASA – Federação Portuguesa das Associações Avícolas; e FPAS – Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores.

Além dos representantes destas instituições, juntaram-se ainda a esta reunião o secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Alberto Souto de Miranda; e o secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, assim como a APIC – Associação Portuguesa de Industriais de Carnes, a DOCAPESCA – Portos e Lotas e a Fileira do Pescado.

Para as próximas reuniões deste Grupo de Trabalho está tambem prevista a participação da SIMAB – Sociedade Instaladora de Mercados Abastecedores, que envia relatórios diários de situação, e da ACICO – Associação Nacional de Armazenistas, Comerciantes e Importadores de Cereais e Oleaginosas.

 

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

Covid-19. PME do setor das carnes com quebras de até 80%

De acordo com este responsável, o impacto é ainda agravado pelo encerramento dos mercados tradicionais, uma preocupação que já foi transmitiram ao Governo, embora a decisão esteja, muitas vezes, na mão das próprias autarquias.

Industriais de carnes requerem apoios à tesouraria para PME em dificuldade

Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, Carlos Ruivo, presidente da Associação dos Portugueses Industriais de Carnes, garante que os produtores não aumentaram o preço aos seus clientes, pelo que, se se registou algum aumento do preço dos produtos nas prateleiras das grandes superfícies “foi por uma decisão dos clientes”, ou seja, da cadeia de distribuição.

Covid-19. Alguns supermercados tiveram um aumento de 50% na procura no início de março, mas ritmo já regularizou

“Não se perspetivam quais ruturas de stocks. Há uma retoma da normalidade nos supermercados”, garante o secretário de Estado do Comércio, João Torres.
Recomendadas

Região dos Vinhos Verdes aumenta produção e exportações no primeiro semestre de 2020

Também as exportações desta região vitivinícola registaram um comportamento positivo nos primeiros seis meses deste ano, com crescimentos de 3,9% em volume e de 2,7% em valor.

Direção Geral de Veterinária controla mais de 100 mil explorações pecuárias em Portugal

Os técnicso da DGAV subscritores da ‘Carta Aberta’ a António Costa destacam que nestes últimos anos conseguiram abrir vários mercados, sendo possível atualmente exportar 161 produtos de origem animal, 60 produtos de origem vegetal e 13 de alimentos para animais, para um total de 58 países diferentes.

Governo aprovou linha de crédito de 20 milhões para o setor das flores

A linha foi aprovada ontem, dia 17 de setembro, em Conselho de Ministros, através de um decreto-lei, que estabelece juros bonificados a 80%, a concederpelo prazo máximo de quatro anos.
Comentários