Governo suspende 18 obras na ferrovia no norte e centro

A modernização da Linha do Oeste, entre Mira Sintra-Meleças e Caldas da Rainha, só deve arrancar no fim de 2020, sendo esta a data em que as obras deveriam estar concluídas e a ligação estabelecida e em funcionamento.

A Infraestruturas de Portugal (IP) adiou 18 obras do setor ferroviário que estavam contemplados no programa Ferrovia 2020, que tinha sido apresentado em 2016 e que tinha um custo de dois mil milhões de euros, avança o ‘Jornal de Notícias’ esta terça-feira, 19 de novembro.

Na Linha do Douro, visitada pelo atual primeiro-ministro António Costa em setembro, foi cancelada a eletrificação entre Marco de Canaveses e Régua. A 11 de setembro, ainda em campanha eleitoral, o então primeiro-ministro anunciou que “no final vai arrancar a obra de eletrificação do Marco [de Canaveses] até à Régua”, uma vez que se encontrava no plano de investimentos da ferrovia.

A IP revelou ao JN que o cancelamento da eletrificação se deveu a “dificuldades técnicas evidenciadas pelo consórcio projetista”, que “obrigaram à revogação do contrato”.

Por sua vez, também a Linha do Norte se encontra em suspenso, devendo ter sido concluída em setembro do presente ano. Assim, a IP admite que o concurso vai ser lançado em 2020 e que a obra deverá estar concluída entre 2022 e 2023. Também a eletrificação da Linha do Minho se encontra atrasada, sendo que apenas a sinalização está concluída.

O JN denuncia ainda o atraso da ligação entre Espinho e Gaia, que só deverá estar concluída em 2022, existindo também o plano de renovação da linha entre a Covilhã e a Guarda, que deverá ficar pronta no terceiro trimestre de 2020. Pampilhosa da Serra e Mangualde só deverão ficar ligados em 2023.

A modernização da Linha do Oeste, entre Mira Sintra-Meleças e Caldas da Rainha, só deve arrancar no fim de 2020, sendo esta a data em que as obras deveriam estar concluídas e a ligação estabelecida e em funcionamento. A eletrificação entre Lagos e Tunes e entre Faro e Vila Real de Santo António só deve estar concluída e a funcionar em 2023.

Ler mais
Relacionadas

OE2020: Governo compromete-se a investir 168 milhões na aquisição de 22 comboios

A entrega dos novos comboios só deverá ocorrer entre 2023 e 2024. No curto prazo, a CP continuará a alugar quatro comboios UTD592 à congénere espanhola RENFE.

“Investimento público em infraestruturas está aquém do necessário”

Quase metade do investimento estrangeiro feito em Portugal nos últimos cinco anos vem de França, com forte concentração no norte e em Lisboa, afirma Carlos Aguiar, presidente da Câmara de Comércio Luso-Francesa.

Fabricar comboios em Portugal é prioridade para o Governo

Plano estratégico para o setor ferroviário e resolução do Conselho de Ministros defendem a necessidade comprar mais comboios e de criar o ‘comboio português’, com uma plataforma normalizada adaptável.

Transporte de passageiros abrandou em todos os modos em 2018

O transporte de passageiros em Portugal registou uma desaceleração transversal aos diversos modos durante o ano passado, de acordo com os dados publicados hoje, dia 8 de novembro, pelo INE – Instituto Nacional de Estatística. O transporte de passageiros por modo aéreo cresceu 6,8%, para 56,3 milhões, um abrandamento face à subida de 16,5% verificada […]
Recomendadas

Confederações patronais querem alargar a mais PME taxa reduzida de IRC

Atualmente beneficiam desta taxa reduzida de IRC as empresas com matéria coletável até 15 mil euros e as duas confederações vão propor que esse limite suba para os 50 mil euros já no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

Margarida Corrêa de Aguiar: “Os PPR Pan-Europeus serão o novo produto de poupança”

“A menor generosidade dos incentivos, a queda da taxa de poupança e a ausência de oferta estruturada de poupança” explica a reduzida penetração de produtos de seguros nas poupanças das famílias, explicou a presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

Vista Alegre conclui aumento de capital com procura de 147% da oferta

O aumento de capital foi realizado através de um processo de accelerated bookbuilding foi concluído, tendo a VAA garantido um encaixe de 15,24 milhões de euros. Esta operação surge dias depois da Vista Alegre ter concluído uma emissão obrigacionista, que lhe permitiu pagar empréstimos à banca.
Comentários