Governo tem “forte expectativa” de acordo entre patrões e sindicato dos motoristas

O Ministro do Ambiente e Transição Energética afirmou este sábado ter a “forte expectativa” de que “venha a ser celebrado rapidamente” o acordo entre patrões e o sindicato de motoristas de matérias perigosas, “para que a greve possa acabar”.

Lusa

“Já foram feitos dois acordos com dois sindicatos do setor. Só falta um acordo com um dos sindicatos para que se possa celebrar um contrato coletivo de trabalho. Amanhã há um plenário. A nossa forte expectativa é que acordo venha a ser celebrado rapidamente, para que greve possa acabar”, disse João Pedro Matos Fernandes, em declarações aos jornalistas no Porto, na conferência de imprensa de balanço da greve dos motoristas, que hoje cumpre o sexto dia.

Quanto à disponibilidade do Governo para servir de mediador entre patrões e o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), que mantêm a greve, o ministro notou que o executivo “tem estado sempre disponível” e que “o serão de ontem, com o ministro das Infraestruturas, serve de prova disso mesmo”.

Matos Fernandes referia-se à decisão dos motoristas de matérias perigosas de cumprirem hoje o sexto dia de uma greve por tempo indeterminado, depois de, nesta madrugada, ter falhado um acordo mediado pelo Governo numa reunião que durou cerca de 10 horas.

A paralisação foi inicialmente convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), mas este sindicato desconvocou o protesto na quinta-feira à noite, após um encontro com a Antram sob mediação do Governo.

No final do primeiro dia de greve, o Governo decretou uma requisição civil, parcial e gradual, alegando incumprimento dos serviços mínimos que tinha determinado.

Portugal está em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação para evitar que fossem afetados serviços essenciais à população.

Ler mais
Relacionadas

Porta-voz da Antram: “Aceitaremos negociar e vamos dar esse passo”

André Matias de Almeida, porta-voz da Antram, disse que a contra-proposta apresentada pelo SNMMP nas negociações que decorreram entre sexta-feira e este sábado representa o “maior aumento da história desde o 25 de abril”. “Estes empregadores estão no limite e vamos para o terceiro ano em decréscimo dos resultados, 40% acima do que foi acordado com os outros sindicatos”, disse.

Ministro do Ambiente: “todos os trabalhadores estão a cumprir os serviços mínimos e a requisição civil”

Em conferência de imprensa realizada este sábado, João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Transição energética revelou que, desde sexta-feira, se assistiu a uma melhoria dos ‘stocks’ de combustível. Situação será reavaliada na segunda-feira de manhã com Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna.
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas

Dez horas de negociações não foram suficientes. Motoristas e patrões falham acordo e greve mantém-se

“Trabalhámos em conjunto com o senhor ministro uma proposta que seria razoável para desbloquear a situação. A Antram rejeitou a proposta e a greve mantém-se”, afirmou à agência Lusa o representante do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, no final da reunião.
Recomendadas

Brexit: Barnier pede que não se subestime consequências de saída sem acordo

“Porque é que o ‘backstop’ é fundamental para todos nós? Porque é na Irlanda que o ‘Brexit’ causa mais problemas e riscos. É o único local onde o Reino Unido tem uma fronteira terrestre com a UE. O motivo da nossa insistência não é ideológico, é pragmático”, argumentou Barnier.

Risco de de Brexit sem acordo é “muito real”, avisa Juncker

A seis semanas da data de saída, 31 de outubro, Juncker disse que Boris Johnson mantém a sua posição de sair da União Europeia, com ou sem acordo.

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.
Comentários