PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS), o equivalente a  um ponto  percentual da taxa do imposto  que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.

Na proposta de OE2019, o Executivo determina que “constitui receita do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS), integrado no sistema previdencial de capitalização da segurança social, o valor correspondente a dois pontos percentuais das taxas previstas no capítulo IV do Código do IRC”.

A Segurança Social  começou a receber este ano uma parcela parte das receitas do IRC arrecadas pelo Estado, com o contributo de 70 milhões de euros, um montante que vai crescer progressivamente até 2021 para a partir daí corresponderem a dois pontos percentuais das taxas do imposto pago pelas empresas. No próximo ano, serão alocados 199 milhões de euros para a sustentabilidade da Segurança Social.

Segundo o Mapa I anexo ao articulado da proposta de lei orçamental, o Governo espera arrecadar 6.336 milhões de euros com o IRC, pelo que 200 milhões de euros deste valor ficarão alocados ao FEFSS, que funciona como uma ‘almofada’ financeira de segurança a que o Estado recorre em caso de rutura financeira.

No entanto, esta consignação será feita “de forma faseada”: em 2018 foram consignados à Segurança Social 0,5 pontos percentuais da receita do IRC, proporção que sobe para um ponto em 2019, para 1,5 pontos em 2020 e para dois pontos em 2021.

Além disso, em 2019, será transferida para o FEFSS “50% da receita de IRC consignada” e, em 2020, será transferida “a diferença entre o valor apurado da liquidação de IRC (…) deduzida da transferência” feita no ano anterior. O Governo tinha já inscrito no seu programa a intenção de diversificar as formas de financiamento da Segurança Social e o ministro da tutela, Vieira da Silva, já se tinha mostrado disponível para identificar como fazê-lo, tendo o OE2018 trazido novidades sobre esta matéria.

O OE2017 passou também a prever a transferência do  adicional do IMI,  cuja receita desta nova taxa dirigida aos contribuintes com património acima dos 600 mil euros passou a ser consignada ao sistema previdencial de capitalização da Segurança Social (50 milhões de euros em 2018 e igual montante em 2019). O FEFSS conta ainda com transferências do IVA social (824 milhões em 2018 e 854 milhões em 2019).

O FEFSS começou, assim, no ano passado, a receber também uma parte das verbas que o Estado encaixa com a receita do IRC no âmbito do OE/2018, dando continuidade à estratégia assumida pelo Governo de encontrar novas fontes de financiamento para a Segurança Social.

Ler mais
Recomendadas

Lava Jato: Juíz do Supremo brasileiro pede prisão de alegados hackers

O juiz do Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF) Alexandre de Moraes pediu na segunda-feira a prisão dos ‘hackers’ que, no seu entender, invadiram telemóveis de magistrados e procuradres envolvidos na Operação Lava Jato, avança a imprensa local brasileira

Fim das taxas moderadoras vai custar mais de 100 milhões de euros por ano ao Estado

Já as receitas dos cuidados de saúde primários, excluindo as urgências, foram de 86,5 milhões de euros e os proveitos dos hospitais, sem urgências, foram de 54,5 milhões de euros, ou seja, ficando acima dos cem milhões de euros, avança a TSF.

Vítor Constâncio esteve na reunião que formalizou não-oposição a Berardo

O jornal Público avança que o ex-governador do BdP teve oportunidade formal de se opor à subida de participação de Joe Berardo no BCP, operação financiada através de um crédito de 350 milhões de euros da Caixa Geral de Depósitos.
Comentários