PremiumGraça Carvalho: “Produtos mais eficientes podem poupar 65 milhões de barris anuais de petróleo”

Reutilizar e tornar mais eficiente são palavras de ordem na promoção da economia circular e ‘amiga’ do ambiente. Eurodeputada portuguesa diz que nova forma de olhar os produtos vai criar novas oportunidades de negócio e aumentar poupança familiar.

A eurodeputada do PSD Graça Carvalho é uma das vozes mais ativas no Parlamento Europeu (PE) no combate à obsolescência programada (produtos programados de fábrica para que durem apenas “x” anos). Ao JE, diz que isso é “enganar os consumidores” e incentivar a compra de novos. Dado o impacto ambiental da política do ‘está estragado, deita-se fora e compra-se novo’, Graça Carvalho defende a criação de equipamentos mais eficientes e mais ‘limpos’ e sublinha que a medida pode levar as famílias a pouparem, em média, 490 euros anuais.

Por que é que o combate à obsolescência programada é uma das prioridades da Comissão Europeia (CE)?
A obsolescência programada é, de certo modo, enganar os consumidores e uma das grandes prioridades da CE é defendê-los. Produzir produtos numa lógica de ‘não está bom deita-se fora’ tem uma pegada ecológica muito grande, dado o consumo de materiais, energia e emissões de gases poluentes. A CE é contrária a isso. Defende a economia circular, o prolongamento do tempo de vida dos produtos e a sua reutilização.

O que tem sido feito a nível europeu sobre esta matéria?
A anterior comissão avançou com um pacote, que prevê a reutilização de produtos e componentes. A nova Comissão é mais ambiciosa e define princípios para uma nova estratégia industrial, que se pretende que seja de crescimento e não de limitação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPresidente da APA: “Montijo não vai ter ligação ferroviária direta”

A ANA admitiu surpresa com os 48 milhões de euros exigidos pela APA para as medidas mitigadoras, mas Nuno Lacasta aguarda “serenamente”.

“Portugal não tem mão de obra, ponto final”, afirma CEO da Casais

António Carlos Rodrigues aponta para o facto de em Portugal as escolas de formação profissional na área da construção estarem neste momento “com 10% da sua capacidade instalada porque não têm alunos”.

Rolf Wenzel: “Portugal aceitou um número de migrantes acima da quota-parte”

Dizendo que a reação xenófoba aos refugiados é como o génio que sai da lâmpada e não volta a entrar, o líder da instituição de apoio a projetos sociais elogia a “forma generosa” como Portugal respondeu.
Comentários