Greve de motoristas: CAP defende “tratamento separado”

“Era preferível que não houvesse greve. Mas se houver greve, queremos que o setor da agricultura tem de ter um tratamento completamente separado”, defendeu há minutos, Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal, em entrevista à SIC Notícias, sobre a greve dos camionistas de matérias perigosas agendada a partir […]

HO/Reuters

“Era preferível que não houvesse greve. Mas se houver greve, queremos que o setor da agricultura tem de ter um tratamento completamente separado”, defendeu há minutos, Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal, em entrevista à SIC Notícias, sobre a greve dos camionistas de matérias perigosas agendada a partir de 12 de agosto próximo.

“A agricultura não pode parar. Não se pode deixar um produto no campo e ir lá buscá-lo depois, quando acabar a greve”, assinalou o presidente da CAP, recordando que a paralisação dos camionista pode durar vários dias.

“Não se trata de prejuízos. Trata-se de perda de valor imediato. tudo aquilo que não for colhido, é, pura e simplesmente, lixo, o que não é admissível, quando estamos a falar de produtos alimentares”, explicou Eduardo Oliveira e Sousa, garantindo que “perde-se o produto na íntegra”.

O presidente da CP explicou que esta questão é mais premente para o setor da agricultura neste mês de agosto do que em abril, quando ocorreu a anterior paralisação dos motoristas de matérias perigosas.

Produtos altamente perecíveis, como o tomate ou pêra rocha, encontram-se perto do seu ciclo de maturação e têm de ser recolhidos, conservados em frio e transportados para os seus destinos finais, para chegarem aos consumidores, em Portugal ou no estrangeiro, referiu Eduardo Oliveira e Sousa.

Quanto aos animais, o presidente da CAP mencionou a questão da alimentação para as diversas fileiras da pecuária e para a questão das vacas leiteiras, que têm de ordenhadas todos os dias.

“Nos animais em produção, nas vacas leiteiras, se não for recolhido o leite, é deitado fora, o que não é admissível”, alertou.

Para Eduardo Oliveira e Sousa, o setor da agricultura “é uma máquina que mexe com seres vivos, não é compatível com uma greve num mês de agosto”, resumindo que “esta é uma situação muito problemática”, “que dá origem a falências, a desespero”.

 

Ler mais
Recomendadas

Produtores de vinhos do Douro vão receber mais de quatro milhões de apoios

Segundo uma informação oficial do Ministério da Agricultura, “os produtores do Douro vão receber mais de 854 mil euros para armazenamento e 3,222 milhões de euros para destilação de vinhos”.

ASAE apreende 450 quilos de alimentos em supermercados

Os 450 quilogramas de alimentos apreendidos representam 150 unidades de produtos, num valor aproximado de 3,4 mil euros, adianta a ASAE no balanço hoje divulgado.

Vinhos do Alentejo apresenta programa de produção sustentável ao mercado americano

Esta é uma uma iniciativa inédita no setor vitivinícola português que, no início do mês de agosto, iniciou a certificação de produção sustentável.
Comentários