Greve de veterinários e de trabalhadores da inspeção sanitária com adesão de 50%

Os trabalhadores reivindicam a criação da carreira especial de inspetor sanitário. Foi, agendada uma reunião com o secretário de Estado da Agricultura e Alimentação.

A greve dos veterinários e inspetores sanitários da Direção-Geral da Alimentação e Veterinária (DGAV) registou uma adesão de 50%, provocando constrangimentos nos matadouros, avançou este sábado, à agência Lusa, o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte (STFPSN).

A paralisação, que começou na terça-feira e termina hoje, “teve uma adesão de perto de 50%” e afetou vários matadouros no país que, nalguns casos, “pararam totalmente” e noutros funcionaram “a meio gás”, disse a delegada sindical Graça Martins.

“Muitas equipas de inspeção viram-se reduzidas e houve matadouros que laboraram com apenas um inspetor quando normalmente estão cinco ou seis pessoas”, acrescentou a sindicalista.

Graça Martins contou que, num dos principais matadouros de suínos, situado no Norte do país, foram abatidos, num dos dias, cerca de 800 porcos para exportação no Brasil, um processo que requer “uma inspeção muito rigorosa”, com apenas um veterinário.

Apesar das dificuldades devido à greve, “a DGAV continuou a dar autorização para que a laboração prosseguisse”, afirmou a delegada sindical, que acusou ainda a direção-geral de “notificar os trabalhadores em plena greve para cumprirem, não os serviços mínimos, mas serviços máximos”.

Os trabalhadores estão em greve para reivindicar a criação da carreira especial de inspetor sanitário e, segundo Graça Martins, já foi, entretanto, agendada uma reunião com o secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira.Matadouros

Ler mais
Recomendadas

Movimento cívico alerta para consequências da exploração de lítio na Serra d’Arga

A ação, promovida pelo Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, pretende sensibilizar para a “calamidade da exploração mineira massiva” na serra d’Arga e “parar” um projeto que “põe em causa 20%” daquele território.

Vespa asiática obriga ao encerramento da zona ocidental do Parque da Pena em Sintra

Em comunicado, a Parque de Sintra – Monte da Lua (PSML) explica que a decisão de encerrar a zona ocidental do Parque da Pena, em que se incluiu o Chalet da Condessa d’Edla, surgiu depois de terem sido contactados os serviços de Proteção Civil da Câmara Municipal de Sintra, no distrito de Lisboa.
Comentários