Greve dos combustíveis: António Costa reitera que “o país não vai parar”

A greve dos motoristas de matérias perigosas entra no sexto dia de protesto. Na segunda-feira, dia 12 de agosto, o Governo decretou a requisição civil, uma medida que o primeiro-ministro, António Costa, considerou adequada.

O primeiro-ministro, António Costa, considera que a greve dos motoristas de matérias perigosas por tempo indeterminado é “manifestamente desproporcional e irrazoável”.

Em entrevista ao semanário “Expresso”, publicada este sábado, apesar de a greve não ter, por enquanto, fim à vista, o primeiro-ministro salientou que o Governo está disponível “para adotar todas as medidas que venham a ser necessárias para garantir esse objetivo”.

“Quem ler o parecer do Conselho Consultivo da PGR fica com a noção clara de que não só os serviços mínimos foram adequados como até agora podem ser alargados em caso de necessidade”, vincou António Costa.

“Até agora, o planeamento e as medidas tomadas garantiram que o país não. E o país não vai parar”, disse o primeiro-ministro.

A greve dos motoristas de matérias perigosas entra este sábado no sexto dia. De manhã, segundo o noticiário das dez da manhã da SIC Notícias, reinava a calma em diversos postos de abastecimento onde se têm organizados piquetes de greve durante a semana, enquanto o abastecimento para o aeroporto tem sido efectuado.

Esta sexta-feira iniciou-se uma reunião entre o indicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Governo que, assumindo o papel de mediação, procurou encontrar uma plataforma de entendimento entre este sindicato e a associação patronal do setor, a Antram. O Governo fez-se representar pelo ministro das Infraestrutras e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

Após dez horas de reunião, na qual a Antram fez chegar um proposta ao Governo, o acordo entre as partes não foi alcançado, algo que foi confirmado pelas partes envolvidas.

 

Ler mais
Relacionadas
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas

Dez horas de negociações não foram suficientes. Motoristas e patrões falham acordo e greve mantém-se

“Trabalhámos em conjunto com o senhor ministro uma proposta que seria razoável para desbloquear a situação. A Antram rejeitou a proposta e a greve mantém-se”, afirmou à agência Lusa o representante do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, no final da reunião.

PremiumAeroporto do Montijo só vai ter reserva de combustível para três dias

Resumo não técnico do estudo de impacto ambiental elenca cenários de ocorrência de acidentes graves envolvendo substâncias perigosas.

PremiumAvança a mediação do Governo com novos protagonistas

A ANTRAM resguardou o porta-voz André Almeida na segunda linha, enquanto o SNMMP fez o mesmo com Pedro Pardal Henriques, pediu a mediação do Governo e recrutou o sindicalista Bruno Fialho como negociador. Mas falta dar o passo de suspender a greve.
Recomendadas

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.

Primeiro-ministro mentiu à Rainha sobre suspensão do Parlamento? Boris Johnson diz “que não”

Depois do tribunal da Escócia ter acusado o primeiro-ministro de enganar a Rainha Isabel II de um“propósito impróprio de impedir o Parlamento”, Boris Johnson vem agora negar as acusações afirmando que o tribunal do Reino Unido está do seu lado.

Governo britânico com cenário catastrófico de Brexit sem acordo: falta de comida e medicamentos, aumento dos preços da luz, Gibraltar bloqueado

Falta de comida e medicamentos, aumento significativo dos preços, bloqueio de travessias no Canal da Mancha e protestos são algumas das previsões de “pior cenário possível” para um Brexit sem acordo.
Comentários