Greve dos combustíveis: António Costa reitera que “o país não vai parar”

A greve dos motoristas de matérias perigosas entra no sexto dia de protesto. Na segunda-feira, dia 12 de agosto, o Governo decretou a requisição civil, uma medida que o primeiro-ministro, António Costa, considerou adequada.

O primeiro-ministro, António Costa, considera que a greve dos motoristas de matérias perigosas por tempo indeterminado é “manifestamente desproporcional e irrazoável”.

Em entrevista ao semanário “Expresso”, publicada este sábado, apesar de a greve não ter, por enquanto, fim à vista, o primeiro-ministro salientou que o Governo está disponível “para adotar todas as medidas que venham a ser necessárias para garantir esse objetivo”.

“Quem ler o parecer do Conselho Consultivo da PGR fica com a noção clara de que não só os serviços mínimos foram adequados como até agora podem ser alargados em caso de necessidade”, vincou António Costa.

“Até agora, o planeamento e as medidas tomadas garantiram que o país não. E o país não vai parar”, disse o primeiro-ministro.

A greve dos motoristas de matérias perigosas entra este sábado no sexto dia. De manhã, segundo o noticiário das dez da manhã da SIC Notícias, reinava a calma em diversos postos de abastecimento onde se têm organizados piquetes de greve durante a semana, enquanto o abastecimento para o aeroporto tem sido efectuado.

Esta sexta-feira iniciou-se uma reunião entre o indicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Governo que, assumindo o papel de mediação, procurou encontrar uma plataforma de entendimento entre este sindicato e a associação patronal do setor, a Antram. O Governo fez-se representar pelo ministro das Infraestrutras e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

Após dez horas de reunião, na qual a Antram fez chegar um proposta ao Governo, o acordo entre as partes não foi alcançado, algo que foi confirmado pelas partes envolvidas.

 

Ler mais
Relacionadas
greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas

Dez horas de negociações não foram suficientes. Motoristas e patrões falham acordo e greve mantém-se

“Trabalhámos em conjunto com o senhor ministro uma proposta que seria razoável para desbloquear a situação. A Antram rejeitou a proposta e a greve mantém-se”, afirmou à agência Lusa o representante do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, no final da reunião.

PremiumAeroporto do Montijo só vai ter reserva de combustível para três dias

Resumo não técnico do estudo de impacto ambiental elenca cenários de ocorrência de acidentes graves envolvendo substâncias perigosas.

PremiumAvança a mediação do Governo com novos protagonistas

A ANTRAM resguardou o porta-voz André Almeida na segunda linha, enquanto o SNMMP fez o mesmo com Pedro Pardal Henriques, pediu a mediação do Governo e recrutou o sindicalista Bruno Fialho como negociador. Mas falta dar o passo de suspender a greve.
Recomendadas

OE2020: Partidos apresentaram mais de mil propostas de alteração à proposta orçamental

Entre as alterações de alteração ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) apresentadas pelos partidos estão a redução do IVA da eletricidade e nas atividades tauromáquicas, o fim dos ‘vistos gold’ em Lisboa e no Porto, cortes nos escalões mais baixos do IRS e aumentos nas pensões mais baixas.

OE2020: CDS-PP pede alívio fiscal para empresas e famílias subscrito pelo novo líder

A líder parlamentar do CDS-PP, Cecília Meireles, garante que as 40 propostas de alteração ao OE2020 que o partido apresentou esta segunda-feira são subscritas pelo novo líder democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, e há “concordância” entre a bancada parlamentar e a nova direção.

OE2020: PAN quer acabar com isenções do ISP para navegação aérea e marítima

A medida consta na lista de mais de 200 proposta de alteração do PAN ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), que passam também pela criação de novas taxas ambientais e que permitiria, segundo o partido, financiar uma redução do IRS.
Comentários