Greve dos motoristas resultará em “consequências irreparáveis”, diz a UGT

O secretário-geral da UGT disse que a greve dos motorista trará “consequências irreparáveis para a economia portuguesa” e pede bom senso a todas as partes envolvidas.

Carlos Barroso / Lusa

O secretário-geral da UGT considerou esta quinta-feira que a greve dos motoristas, marcada para dia 12, resultará em “consequências irreparáveis” para o país e apelou ao Governo para intervir com vista a um acordo entre sindicatos e patrões.

Há uma coisa de que eu tenho a certeza e o país também tem a certeza: desta guerra haverá consequências irreparáveis para a economia portuguesa, mas sobretudo para os portugueses”, disse Carlos Silva aos jornalistas no final de uma audiência na Presidência da República, em Belém, Lisboa.

A greve dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias foi um dos temas abordados no encontro realizado em Belém a pedido da central sindical, com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse Carlos Silva.

Segundo o líder sindical, o Governo deverá intervir no conflito entre os sindicatos dos motoristas e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), tal como já o fez anteriormente, para que as duas partes voltem às negociações e cheguem a um entendimento.

“Apelamos à ANTRAM, aos sindicatos e ao Governo para que tentem uma última via” para um acordo, sublinhou Carlos Silva. “Se é verdade que o senhor ministro [Pedro Nuno Santos] recomendou que os portugueses atestem o depósito antes do dia 12, eu acho que valeria mais a pena investir 48 horas seguidas eventualmente num processo negocial”, reforçou o líder da UGT.

“O prejuízo [da greve] é incalculável para milhões de portugueses que estão no nosso país, sobretudo para a classe emigrante que nos visita na altura do Verão”, defendeu Carlos Silva.

O secretário-geral da UGT disse estar, contudo, solidário “com a luta dos trabalhadores”, defendendo que também cabe à ANTRAM e não apenas aos sindicatos travar a greve. “Para dançar o tango são precisos dois”, disse Carlos Silva.

O líder da central sindical considerou ainda “um pouco abusivo o facto de falar-se da lei da greve como uma ameaça aos sindicatos” sempre que há “litigâncias e conflitos” entre estruturas sindicais e patrões. “A lei da greve está consagrada na Constituição e devidamente regulamentada”, defendeu.

A greve convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), que começa em 12 de agosto, por tempo indeterminado, ameaça o abastecimento de combustíveis e de outras mercadorias.

O Governo terá que fixar os serviços mínimos para a greve, depois das propostas dos sindicatos e da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) terem divergido entre os 25% e os 70%, bem como sobre se incluem trabalho suplementar e operações de cargas e descargas.

Ler mais
Relacionadas
Nome do ficheiro: greve-motoristas-matérias-perigosas.jpg

Motoristas de combustíveis: Patrões defendem “regulamentação do exercício do direito à greve”

Confederação Empresarial de Portugal alerta que a fragmentação do movimento associativo, com o surgimento de um número significativo de novos sindicatos não enquadrados nas centrais sindicais, torna mais difícil a resolução de conflitos pela via do diálogo.
pedro-pardal-henriques

Sindicato dos Motoristas volta à mesa de negociações no dia 5 de agosto para tentar evitar greve

“Há sempre a hipótese de a greve ser desconvocada, estamos sempre dispostos a negociar”, garantiu o vice-presidente do sindicato dos motoristas dos combustíveis.
Recomendadas

Reino Unido com mais 215 mortos por Covid-19 nas últimas 24 horas

O Governo mantém o seu plano de algumas escolas primárias em Inglaterra voltarem a funcionar na segunda-feira, embora alguns cientistas tenham manifestado receios de que esta reabertura seja prematura.

Jerónimo de Sousa: “Caiu por terra a teoria de que estamos todos no mesmo barco”

O secretário-geral do PCP diz que “a ilusão de que vai tudo ficar bem” “caiu por terra” com a pandemia e o encerramento de unidades educativas e critica “a medida do Governo de levar os estudantes do ensino profissional a terem de realizar uma autêntica volta pelo país para fazerem exames para os quais não foram preparados, para concorrer a meia dúzia de vagas”.

Infografia | Nove em cada dez casos novos de Covid-19 foram na região de Lisboa e Vale do Tejo

O mapa mostra, concelho a concelho, a evolução dos casos da doença nas últimas 24 horas em Portugal. O país registou mais 257 novas confirmações de infeção por coronavírus. Segundo a ministra da saúde, a região de Lisboa e Vale do Tejo representou, em média, 85% dos novos casos nos últimos oito dias.
Comentários