Greve Motoristas: familiares juntam-se a grevistas em Aveiras de Cima

Os motoristas de matérias perigosas encontram-se em greve desde segunda-feira.

greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas_1
Mário Cruz/Lusa

Vários familiares juntaram-se aos motoristas de matérias perigosas, que fazem parte do pique de greve à porta da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, distrito de Lisboa.

Os cerca de 50 motoristas que se encontravam pelas 17:00 nas imediações da plataforma logística dizem que continuam firmes na luta e aguardam notícias da deslocação do presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) à Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), em Lisboa.

Muitos deles confessam-se cansados, depois de estarem no piquete de greve há vários dias, mas não desmotivados.

Hoje as críticas foram para o acordo assinado entre na quarta-feira entre a Fectrans e Antram, dizendo que este teve como propósito tirar força à luta dos motoristas de matérias perigosas.

À semelhança do que aconteceu nos últimos dias, cada vez que passa um colega num camião-cisterna e que pertence aos serviços mínimos e apita a resposta que recebe é uma salva de palmas.

Mas esta tarde o maior aplauso foi para um dos dois motoristas que na quarta-feira foram notificados em casa para ir trabalhar no âmbito da requisição civil.

Um dos elementos do piquete de greve contou à Lusa que esse colega esteve 20 horas em protesto e que quando se deslocou a casa para ir dormir algumas horas e comer foi abordado pela GNR para ir trabalhar 15 horas.

“Ninguém arreda pé” e “nem um passo atrás” são as palavras de ordem que se ouvem de vez em quando, mas que se intensificam cada vez que há um direto numa televisão.

A greve que começou na segunda-feira, por tempo indeterminado, foi convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Entretanto, na reunião na DGERT, o SNMMP pediu a mediação do Governo para chegar a um entendimento que permita terminar a greve, anunciou o presidente da estrutura sindical, Francisco São Bento.

O Governo já disse que vai nomear um mediador para tentar terminar o conflito entre a Antram e o SNMMP.

Ler mais
Recomendadas

Azul e dourado de regresso. Passaporte britânico vai ser emitido em março

O anúncio foi feito pela secretária do Interior, Priti Patel, que colocou a imagem do novo passaporte no Twitter. O passaporte azul e dourado vai voltar a ser emitido pela primeira vez depois de três décadas, quando se instalou o passaporte de aspeto único em 1988.

Tem uma PME? Saiba como continuar a trabalhar com o Brexit

O Acordo de Saída prevê um período transitório, até 31 de dezembro de 2020, durante o qual prevalecerão as atuais regras do Mercado Único Europeu e da União Aduaneira.

António Costa diz que aprovação do Orçamento é “meio caminho andado” para a legislatura correr bem 

“Ao contrário do que alguns receavam, não tem uma única medida de retrocesso de qualquer dos avanços alcançados nos últimos quatro anos. Ao contrário do que alguns receavam, não nos faz ficar parados ou a marcar passo”, referiu.
Comentários