Greve Motoristas: familiares juntam-se a grevistas em Aveiras de Cima

Os motoristas de matérias perigosas encontram-se em greve desde segunda-feira.

greve_motoristas_materias_perigosas_camionistas_1
Mário Cruz/Lusa

Vários familiares juntaram-se aos motoristas de matérias perigosas, que fazem parte do pique de greve à porta da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, distrito de Lisboa.

Os cerca de 50 motoristas que se encontravam pelas 17:00 nas imediações da plataforma logística dizem que continuam firmes na luta e aguardam notícias da deslocação do presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) à Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), em Lisboa.

Muitos deles confessam-se cansados, depois de estarem no piquete de greve há vários dias, mas não desmotivados.

Hoje as críticas foram para o acordo assinado entre na quarta-feira entre a Fectrans e Antram, dizendo que este teve como propósito tirar força à luta dos motoristas de matérias perigosas.

À semelhança do que aconteceu nos últimos dias, cada vez que passa um colega num camião-cisterna e que pertence aos serviços mínimos e apita a resposta que recebe é uma salva de palmas.

Mas esta tarde o maior aplauso foi para um dos dois motoristas que na quarta-feira foram notificados em casa para ir trabalhar no âmbito da requisição civil.

Um dos elementos do piquete de greve contou à Lusa que esse colega esteve 20 horas em protesto e que quando se deslocou a casa para ir dormir algumas horas e comer foi abordado pela GNR para ir trabalhar 15 horas.

“Ninguém arreda pé” e “nem um passo atrás” são as palavras de ordem que se ouvem de vez em quando, mas que se intensificam cada vez que há um direto numa televisão.

A greve que começou na segunda-feira, por tempo indeterminado, foi convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Entretanto, na reunião na DGERT, o SNMMP pediu a mediação do Governo para chegar a um entendimento que permita terminar a greve, anunciou o presidente da estrutura sindical, Francisco São Bento.

O Governo já disse que vai nomear um mediador para tentar terminar o conflito entre a Antram e o SNMMP.

Ler mais
Recomendadas

Brexit: Barnier pede que não se subestime consequências de saída sem acordo

“Porque é que o ‘backstop’ é fundamental para todos nós? Porque é na Irlanda que o ‘Brexit’ causa mais problemas e riscos. É o único local onde o Reino Unido tem uma fronteira terrestre com a UE. O motivo da nossa insistência não é ideológico, é pragmático”, argumentou Barnier.

Risco de de Brexit sem acordo é “muito real”, avisa Juncker

A seis semanas da data de saída, 31 de outubro, Juncker disse que Boris Johnson mantém a sua posição de sair da União Europeia, com ou sem acordo.

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.
Comentários