Groundforce apela a “acordo que viabilize pagamento aos trabalhadores”

Greve levou ao cancelamento de 650 voos nos aeroportos portugueses, com maior incidência em Lisboa. Já foram entregues pré-avisos de greve entre 30 de junho e 2 de agosto.

A Groundforce apelou neste domingo para que seja alcançado “um acordo que viabilize o pagamento do que é devido aos trabalhadores” da empresa, em greve este fim de semana, que contou com uma adesão de 81,2% no aeroporto de Lisboa.

“Atendendo ao facto de algumas estruturas sindicais terem já enviado pré-avisos de greve entre os dias 30 de julho e 2 de agosto, a Groundforce considera fundamental que se chegue rapidamente a um acordo que viabilize o pagamento do que é devido aos trabalhadores”, escreveu a empresa, em comunicado.

Desta forma, a Groundforce pede “à TAP e aos sindicatos que retomem o diálogo nos próximos dias, evitando que a situação vivida este fim de semana nos aeroportos nacionais se repita no final do mês”.

Em relação à greve que decorreu durante o fim de semana, “até às 18h30 de domingo [hoje], a operação da Groundforce em Lisboa voltou a ser a mais afetada”, uma vez que “81,2% dos trabalhadores da empresa aderiram à paralisação, o que inviabilizou a realização de 309 voos”.

Já no aeroporto do Porto, “a adesão foi de 48,7% e conduziu ao cancelamento de 44 voos”, enquanto em Faro “foi de 9,3% e comprometeu oito movimentos aéreos”.

No arquipélago da Madeira, “foram cancelados 12 voos” no Funchal, “em resultado da adesão de 25,7% dos trabalhadores”, e no Porto Santo “não se realizaram 10 dos 28 voos previstos”.

“No total do fim de semana, entre partidas e chegadas, dos 1.049 voos previstos realizaram-se apenas 399, tendo os restantes 650 sido cancelados”, contabilizou a Groundforce.

De acordo com a ANA – Aeroportos de Portugal, o segundo dia da greve dos trabalhadores da empresa de handling levou ao cancelamento de 321 (166 chegadas e 155 partidas) dos 515 voos previstos para domingo no aeroporto de Lisboa, com a previsão de serem operados um total de 194 (95 chegadas e 99 partidas).

As companhias aéreas low cost que utilizam o terminal 2 do aeroporto da capital portuguesa e as que operam com outra empresa de assistência em escala, que não a Groundforce, mantêm a sua operação regularizada, assegurou a empresa aeroportuária.

Segundo a ANA, no aeroporto do Porto foram cancelados no domingo 37 voos, no aeroporto de Faro foram canceladas sete ligações aéreas e, na Madeira e no Porto Santo, a greve levou ao cancelamento de seis voos em cada um dos aeroportos.

Recomendadas

Balsemão: “Este livro não é, nem pretende ser, um ajuste de contas”

A apresentação do livro de 962 páginas, onde o patrão do Expresso e da SIC, conhecido jornalista, empresário e político relata as suas Memórias, coube a Luís Marques Mendes e Clara Ferreira Alves. “Devemos agradecer às pessoas que nos fazem felizes”, disse Balsemão, citando Proust.

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Moody’s sobe rating da CP

“A subida tem em conta as fortes ligações entre a Comboios de Portugal e o soberano, do qual recebe um apoio financeiro considerável”, considerou Francesco Bozzano, o analista da empresa na agência norte-americana, onde tem o cargo de analista vice-presidente-sénior.
Comentários