Groundforce: TAP vai pagar subsídio de férias e salários em atraso dos trabalhadores

“Esta foi a solução encontrada para ultrapassar a recusa na semana passada da administração da Groundforce em aceitar a transferência da TAP que permitiria o pagamento aos trabalhadores do subsídio que lhes era devido”, informa o Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

Trabalhadores da Groundforce concentrados junto ao Ministério das Infraestruturas, em Lisboa, 05 de março de 2021. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A TAP vai pagar os subsídios de férias e salários em atraso diretamente aos trabalhadores da Groundforce. A informação foi divulgada esta quarta-feira, 20 de julho, num comunicado emitido pelo Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

“Esta foi a solução encontrada para ultrapassar a recusa na semana passada da administração da Groundforce em aceitar a transferência da TAP que permitiria o pagamento aos trabalhadores do subsídio que lhes era devido”, pode ler-se no comunicado.

A decisão foi comunicada já esta tarde numa reunião com os sindicatos da Groundforce. Desta forma, a greve levada a cabo pelos trabalhadores da empresa já pode ser suspensa.

“Ao mesmo tempo, a TAP vai abreviar o pagamento definido contratualmente para saldar a fatura relativa a serviços prestados em junho, garantindo que a administração da Groundforce tem liquidez suficiente para pagar integral e atempadamente os salários dos trabalhadores relativos ao mês de julho”, indica o comunicado, que salienta, contudo, que “o valor dos serviços prestados pagos pela TAP à Groundforce é superior às necessidades salariais dos trabalhadores da Groundforce”.

Na sequência desta decisão o comunicado indica também que o Governo tem a expetativa que a venda por parte do Montepio das ações da Pasogal que tem em sua legitima posse terá um desfecho positivo nos próximos dias. “No entanto, caso essa venda não se concretize muito em breve, o Governo avançará de imediato com as ações necessárias para garantir a mudança acionista indispensável para a viabilização da empresa”, refere o documento.

Recorde-se que o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, tinha garantido na comissão parlamentar realizada na terça-feira economia que os salários de julho e os subsídios de férias dos trabalhadores da Groundforce seriam pagos.

“No curto prazo, a disponibilidade de pagar subsídios de ferias mantém-se”, com o Governo e a TAP a trabalharem “numa solução para pagar subsídios sem que isso dependa” da Pasogal e para que “não tenham os salários de julho por pagar”, afirmou Pedro Nuno Santos.

O governante afirmou que a “TAP não está em incumprimento nenhum com a Groundforce. Os serviços serão pagos normalmente pela TAP; até ao final de julho a TAP pagará os serviços de junho dentro do prazo, será um montante superior as necessidades salariais dos trabalhadores”. Segundo Pedro Nuno Santos, há uma “fatura vencida de junho, de 3,6 milhões de euros, se for preciso pagar antes do tempo, julgo que a TAP estará disponível”.

Relacionadas

Groundforce. Ministro garante pagamento dos salários de julho a horas e do subsídio de férias (com áudio)

Governo e a TAP estão a trabalhar numa solução para pagar os subsídios de férias e os salários dos trabalhadores, sem que isso dependa da aprovação do acionista privado e maioritário da empresa, a Pasogal de Alfredo Casimiro.

Groundforce. Governo diz que se venda pelo Montepio falhar, Estado ou TAP vão encontrar uma “solução” (com áudio)

O ministro está hoje a ser ouvido no Parlamento. “O último fim de semana foi dramático para todos: passageiros, aeroporto, companhias aéreas, e trabalhadores da Groundforce. Lamentamos muito”, disse hoje Pedro Nuno Santos.

Marcelo acusa responsáveis da Groundforce de prejudicarem o país (com áudio)

Na chegada à Madeira, o presidente da República falou da “obstinação” da parte da Groundforce e em particular de alguns dos responsáveis da empresa porque estão a “prejudicar o país”.
Recomendadas

Groundforce lamenta que insolvência impeça “caminho de regresso à normalidade”

Para a empresa, que refere ter tido conhecimento da decisão judicial esta quarta-feira, a continuação da operação “era a opção que melhor defendia o interesse de todas as partes interessadas”.

EDP Renováveis vende seis parques eólicos na Polónia por 303 milhões de euros

A energética diz que o negócio “rá contribuir com aproximadamente 303 milhões de euros de encaixe de rotação de ativos e está inserida no contexto do programa de rotação de ativos de 8 mil milhões de euros anunciado no Capital Markets Day”.

Sindicatos reúnem-se com Governo para debater insolvência da Groundforce

A reunião, por videoconferência, deverá contar com a maioria das estruturas sindicais representadas na empresa, conta com a presença do secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Hugo Mendes, e tem como objetivo informar os trabalhadores sobre o processo. 
Comentários