Grupo AFA obtém aprovação para projeto imobiliário em Almada

A obra inclui a “construção de um complexo de habitação com cerca de 300 fogos, várias frações de comércio e serviços, um hotel com 160 quartos, equipamentos sociais e ainda um estacionamento com 500 lugares”.

O Grupo AFA anunciou que obteve aprovação para um investimento imobiliário em Almada. A autarquia aprovou em reunião de Câmara, “o Plano de Pormenor Cais do Ginjal (PPCG) que visa a intervenção e reabilitação profunda daquela área de Almada, num projeto conjunto com o Grupo AFA”, acrescentou a empresa.

“A parceria com o Grupo AFA, consubstanciada pela aprovação do PPCG, foi a solução encontrada pela CMA para travar o problema de degradação progressiva do Cais do Ginjal e concretizar o projeto de revitalização profunda da zona ribeirinha com cerca de 1 Km de frente conhecida como a “porta de entrada fluvial de Almada”, considerou o grupo AFA.

O grupo empresarial será responsável por “toda a regeneração da zona ribeirinha com aprovação para mais de 90.000 m2 de área bruta de construção”. A empresa acrescenta que “a zona será alvo de intervenção para construção de um complexo de habitação com cerca de 300 fogos, várias frações de comércio e serviços, um hotel com 160 quartos, equipamentos sociais e ainda um estacionamento com 500 lugares”.

O Grupo AFA diz que este projeto passa por tornar “o território abandonado do Ginjal num ícone da Margem Sul e isso requer um investimento de 300 milhões de euros e uma duração de cerca de oito anos”.

Recomendadas

Presidente da Câmara do Funchal defende fórum de debate dos municípios para “espicaçar” descentralização

O autarca entende que a coesão territorial deve ser um assunto em cima de mesa, de modo a que os municípios possam definir as suas políticas de sustentabilidade que são diferentes de município para município.

Covid-19: Açores exigem teste negativo à chegada a passageiros do estrangeiro

Quanto aos passageiros provenientes do continente ou da Madeira, vão ter de apresentar o certificado digital de vacinação ou recuperação da Covid-19 ou, no caso de não terem nem um nem outro, um teste negativo realizado até 72 horas antes do embarque para os Açores.

Covid-19: Albuquerque considera desnecessário aplicar medidas do continente (com áudio)

Desde 27 de novembro, segundo uma resolução do executivo madeirense, pode ser exigido na região teste antigénio negativo, com validade semanal, em alguns casos cumulativamente com certificado de vacinação contra a Covid-19, para acesso a vários espaços abertos e fechados, como restaurantes e ginásios.
Comentários